sexta-feira, 16 de junho de 2017

Freguesia de Lajes das Flores angaria pela terceira vez consecutiva o Prémio Excelência do concurso Eco Freguesia

Nos galardões do ano 2016 do ‘Eco Freguesia, Freguesia Limpa’ foram distinguidas 28 freguesias de todas as ilhas dos Açores com o Prémio Excelência.

O concurso ‘Eco Freguesia, Freguesia Limpa’ pretende reconhecer e distinguir o esforço das autarquias locais em colaboração com as populações na limpeza, remoção e destino final dos resíduos abandonados em espaços públicos, incluindo as linhas de água e a orla costeira, bem como o desenvolvimento e participação em programas e acções de sensibilização e educação ambiental.

Este concurso tem uma vertente muito importante de acções de limpeza e de sensibilização ambiental, através do incentivo ao voluntariado que envolva a comunidade para limpar e manter a freguesia limpa, e que se concretiza na recolha de resíduos do espaço público envolvente e na realização de campanhas de sensibilização ambiental.

O programa Eco Freguesia existe desde 2010 envolvendo todas as ilhas dos Açores e distinguindo em cada ilha as freguesias cujo esforço de limpeza e de manutenção tenha obtido a pontuação mais elevada nos diversos critérios de avaliação, através dos Prémios de Excelência, instituídos pela primeira vez em 2014.

Desde o ano passado, o concurso ‘Eco Freguesia, Freguesia Limpa’ passou a integrar dois novos projectos, denominados ‘A Minha Ribeira’ e ‘Costa Limpa’, dirigidos para freguesias em cujos territórios existam linhas de água que importe monitorizar e assegurar a manutenção de condições de limpeza e de normal funcionamento.


Notícia: «Diário dos Açores», «Jornal da Tarde» da RTP Açores e o inestimável "serviço informativo" do GaCS [Gabinete de apoio à Comunicação Social, da Presidência do Governo Regional dos Açores].
Saudações florentinas!!

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Contra-análises não encontraram bactéria listéria no queijo da Cooperativa

O Governo Regional revelou que deram resultado negativo as contra-análises feitas aos queijos produzidos pela Cooperativa Ocidental, onde há cerca de um mês foi detetada a presença da bactéria listéria.

“Recebemos a confirmação por parte da Cooperativa Ocidental em relação às contra-análises feitas ao queijo e os resultados são negativos”, afirmou João Ponte, salientando que “o queijo está em condições normais e não há quaisquer restrições”.

O secretário regional da Agricultura sublinhou tratar-se de uma boa notícia, admitindo que a deteção da presença da bactéria listéria “criou alguma dúvida em relação à qualidade do queijo que era produzido pela Cooperativa Ocidental. Isto naturalmente pode colocar sempre receios nos mercados”, acrescentou João Ponte, frisando que a presença da bactéria resultou de “um incidente que foi ultrapassado” e que a Cooperativa “irá continuar com os critérios rigorosos de qualidade” na produção de queijo.

A 16 de Maio foi revelado ter sido detetada a presença da bactéria listéria num lote de 241 unidades de queijo produzido na Cooperativa Ocidental, que foram retirados do mercado mas 108 desses queijos já tinham sido vendidos.

Quando foi detetada a presença da bactéria listéria, a Direção Regional de Agricultura decidiu de imediato a suspensão da venda e recolha de todos os queijos que integravam o lote, bem como a implementação de procedimentos de higienização, com o objetivo de “eliminar potenciais focos” da bactéria listéria. Também foi determinada a recolha de amostras nos diversos processos de tecnologia alimentar, desde a receção da matéria-prima até à expedição do produto acabado, no sentido de “eliminar o possível foco de contaminação”.


Notícia: jornal «Açoriano Oriental» e rádio Atlântida.
Saudações florentinas!!

domingo, 11 de junho de 2017

Marcelo deu mergulho a fundo nas ilhas

Visita presidencial aos Açores: 6 dias, 7 ilhas, 12 concelhos e 18 voos; o Presidente da República passou pelo ponto mais ocidental da Europa.

Bastaram 15 minutos para Marcelo Rebelo de Sousa dar o primeiro mergulho nos Açores. Saiu de manhã do quarto com os calções de banho vestidos e a toalha branca do hotel ao ombro, desceu a rampa do Boqueirão e nadou nas águas da ilha das Flores, sob o olhar atento de um único segurança. Fê-lo pouco antes de partir no avião militar que o levou para ‘águas’ mais quentes — as da Base das Lajes na ilha Terceira onde passou a manhã do segundo dia de visita oficial à Região. Uma visita que, em si mesma, foi um mergulho na vida dos açorianos.

Nos dois primeiros dias nos Açores, Marcelo passou pelo Corvo, Flores e Terceira — três das sete ilhas que visitou em seis dias. De fora das nove, ficaram São Miguel e Santa Maria, às quais irá ainda em Outubro deste ano. E, desde o primeiro momento em que aterrou nos Açores, Marcelo teve a seu lado o presidente do Governo Regional, o socialista Vasco Cordeiro, que o convidou para visitar a Região. “Estes dois dias permitiram-me fazer um ponto de situação com o presidente do Governo Regional dos Açores, com uma convergência praticamente total de pontos de vista”, resume o Presidente da República ao «Expresso».

Foi “simbolicamente” pela ilha mais pequena de todo o arquipélago, o Corvo, que a visita arrancou. O avião militar aterrou às 15 horas na pequena ilha de 437 habitantes. E se quase tudo o que o Corvo tem se consegue ver a partir dos moinhos de vento, é também dali que se veem os poucos aviões a aterrar. “Aviões militares assim aqui só quando vem o Presidente da República ou o primeiro-ministro”, diz um dos cinco homens encostados num dos moinhos, ao sol, durante a pausa de almoço dos trabalhos nas obras de alargamento do porto. Deslocados de São Miguel para o Corvo para um contrato de seis meses, esperavam que o C295 da Força Aérea aterrasse na curta pista. Só que o tempo — embora seja o que de mais há na ilha — não lhes chegou. Ainda antes de o avião aterrar, as carrinhas de caixa aberta apareceram para os levarem de regresso à obra.

Foi em passo acelerado que, em três horas, Marcelo percorreu as ruas da vila do Corvo. Distribuiu abraços, tirou fotografias, fez perguntas, ouviu explicações, entrou numa mercearia, comentou a bandeira monárquica na janela da sede do PPM e entrou na Igreja de Nossa Senhora dos Milagres. Para comemorar o Dia da Criança, visitou a única escola da ilha onde estudam 53 alunos e ficou impressionado com a quantidade de pessoas que apareceram, “quase dois terços da população”, avançou. “No Corvo, encontrei a economia e a sociedade a mexerem, o que é muito importante.”

Foi também no Corvo que parou durante cerca de meia hora para um encontro a sós com Vasco Cordeiro. “Partilhei com o Presidente da República aquilo que podemos chamar uma breve fotografia da Região”, disse o presidente do Governo Regional aos jornalistas. Falou nos aspetos que o deixam “satisfeito” — como a diminuição do desemprego ou o crescimento económico — mas também os “desafios” que os Açores têm pela frente. O chefe do Governo açoriano referiu as dificuldades do sector agrícola, leiteiro e das pescas, assim como a necessidade de apostar na qualificação dos recursos humanos. E sem esquecer a reflexão que está a decorrer na Assembleia Legislativa Regional sobre o reforço da Autonomia da Região. O resumo de Vasco Cordeiro sobre os Açores, disse Marcelo, foi “sintético mas exaustivo”, algo que não conseguiria ter “se ficasse fechado em Belém”. Já sobre a Autonomia, prefere uma atitude de “grande prudência”, sem comentar o que está a ser discutido.

Se as aceleradas três horas no Corvo conseguiram reunir tantas iniciativas, a visita à ilha das Flores foi menos intensa. Marcelo foi ao miradouro do Portal, nas Lajes das Flores, o concelho mais ocidental da Europa, e jantou com os finalistas do ensino secundário. “Nas Flores, além da confirmação da beleza natural, encontrei jovens finalistas muito articulados, muito bem preparados e com ideias muito viradas para o futuro, sobretudo as mulheres, e uma parte deles a quererem voltar para a ilha das Flores”, resumiu Marcelo ao «Expresso».

E ao segundo dia de visita, depois do mergulho, voou para a ilha Terceira. Marcelo esteve num almoço com quase três mil idosos sentados em bancos corridos, onde foram servidas as tradicionais sopas de Espírito Santo. Logo no início, o Presidente prometeu que os cumprimentaria a todos e assim o fez. “O Presidente da República não é só o Presidente de todos, é o Presidente de cada um. Isso é diferente. É ser mais”, dissera antes no Corvo. Pela frente, Marcelo ainda teve vários voos e as ilhas do Pico, Graciosa, Faial e São Jorge. E margem para outros mergulhos.


Notícia: semanário «Expresso».
Saudações florentinas!!

sábado, 10 de junho de 2017

76º aniversário da RDP Antena 1 Açores

A rádio pública começou nos Açores há 76 anos, mais precisamente no dia 28 de Maio de 1941, com as emissões desde a cidade de Ponta Delgada na ilha de São Miguel.

Para comemorar a efeméride, os responsáveis da RDP Antena 1 Açores fizeram deslocar à ilha do Corvo uma equipa de técnicos e locutor para que a festa de aniversário chegasse a todo o Mundo desde a mais pequena ilha açoriana, quer através das ondas hertzianas, quer via Internet.

A Costa Ocidental teve todas as autorizações, bem como todo o apoio da equipa da RDP Açores, para que este trabalho fosse possível. Obrigado aos técnicos José Gamboa e Rui Pereira, bem como ao locutor José Andrade.

Obrigado a todos os participantes no programa, a todos os presentes no Largo do Outeiro, a todos os corvinos e a todos os que, de uma forma ou de outra, tornaram possíveis estas imagens. Obrigado especial à Luísa Silveira pelo imprescindível trabalho na recolha de imagens e ajuda na produção.


Vídeo: YouTube de José Agostinho Serpa.
Saudações florentinas!!

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Dificuldade na chegada de gado às Flores

Gado bovino espera há dois meses na Terceira para ser embarcado para as Flores. São seis animais de raça Limousine, adquiridos por lavradores florentinos empenhados no melhoramento genético das suas explorações.

Ainda sem fim à vista, os seis animais provenientes da ilha Terceira e com destino à ilha das Flores não têm ainda viagem marcada; estão na Terceira, onde aguardam. Os agricultores florentinos protestam, dado que há 60 dias que esperam por uma solução por parte da empresa Transinsular.

"Tentaram arranjar a nível regional algum contentor disponível e o que percebi tanto na Transinsular como na Boxlines e outra companhia não existia qualquer contentor que transportasse os nossos animais", afirmou Fábio Armas, agricultor da ilha das Flores. Ele e mais dois agricultores compraram este gado: seis animais puros da raça Limousine para melhoramento zootécnico nas suas explorações.

"O próximo navio, que é no final deste mês, [perguntei] se eventualmente e através de interligação com São Miguel, a Transinsular descarregava os animais em São Miguel, ficavam ali 3 ou 4 dias para só depois apanhar novamente o barco e então aí fazer-se São Miguel-Pico e Pico-Flores... se conseguiam garantir-me que havia um contentor disponível para esse barco? Então o senhor disse-me que ainda era muito cedo para me garantir a disponibilidade desse contentor. Ou seja, andamos aqui sem saber se realmente estes animais vão chegar ou não cá. Se nos conseguem arranjar uma data concreta para isso", disse desalentado Fábio Armas.

Sem fim à vista esta importação de gado vivo para as Flores. Dificuldades no transporte marítimo, numa altura em que as autoridades políticas lembram as vantagens do comércio interno.

O deputado florentino João Paulo Corvelo entregou um requerimento na Assembleia Regional como forma de obter esclarecimentos do Governo Regional sobre esta matéria.


Notícia: RDP Antena 1 Açores.
Saudações florentinas!!

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Jovem florentino vai ser ordenado padre

No dia 1 de Julho, Jacob Vasconcelos será ordenado padre na Igreja Matriz de Santa Cruz das Flores.

Com 23 anos, Jacob Vasconcelos foi ordenado diácono no passado dia 8 de Dezembro no Santuário de Nossa Senhora da Conceição. Finalista do sexto ano do Seminário de Angra, este jovem florentino vai ser ordenado sacerdote no próximo dia 1 de Julho na Igreja Matriz de Santa Cruz das Flores.

Oriundo da freguesia de Ponta Delgada, o diácono Jacob Vasconcelos é uma das referências entre os alunos do Seminário de Angra, não só pelo seu aproveitamento escolar mas também pelo carisma. Afável, sorridente e com uma energia inesgotável, quando se passa com ele na rua parece que conhece meio mundo e arredores. De uma enorme disponibilidade, Jacob está no Seminário há 8 anos, tendo chegado à Casa com 15 anos para frequentar o ensino de nível secundário, com a “certeza” de que queria ser padre. Desde pequeno que brinca como se já o fosse. Diz quem conhece o seu baú das recordações que até estolas em miniatura tinha no seu armário.

Jacob Vasconcelos é um dos jovens mais preparados para o sacerdócio sem deixar de ser um jovem comum, atento ao mundo e ao que gira à sua volta, generoso e sempre próximo. Ainda assim, o diácono afirma que gostaria de ver mais “respostas generosas e comprometidas” sobretudo dos jovens e afirma que o “ardor de evangelizar” é que lhe vai tirar o sono.

“Sou de personalidade inquieta e enérgica por natureza, pelo que julgo que, para além das preocupações do dia-a-dia, irá incomodar-me a necessidade de levar o Evangelho às pessoas, pela palavra, pelos sacramentos, pela minha atitude coerente de vida e por todos os meios possíveis e necessários que estiveram ao meu alcance”, frisou o jovem diácono florentino.

A ordenação de Jacob Vasconcelos será presidida pelo bispo João Lavrador, que assim mantém a tradição do seu predecessor de fazer as ordenações de forma descentralizada.


Notícia: "sítio" Igreja Açores.
Saudações florentinas!!

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Recolha de lixo porta-a-porta é melhor

A associação ambientalista Zero comparou o desempenho de três municípios na área dos resíduos e concluiu que a recolha seletiva porta a porta é mais eficaz e consegue mais reciclagem que a recolha nos ecopontos.

Com base na análise das quantidades de resíduos recolhidos através do sistema porta a porta nos municípios de Lajes das Flores, Lisboa e Maia e na comparação com as quantidades conseguidas com a recolha através de ecopontos, a Zero: Associação Sistema Terrestre Sustentável refere que a retoma de recicláveis (papel, cartão, plásticos, metais e vidro) é muito maior nas primeiras áreas.

Em Lisboa pela recolha porta a porta foram obtidos 65 quilogramas de resíduos por habitante e por ano, a mesma quantidade que na Maia, enquanto nas Lajes das Flores foi conseguido o valor mais elevado, atingindo 93 quilogramas. A média nacional de recolha através dos ecopontos é de 45 quilogramas por ano por habitante e nos Açores ronda 41 kgs.

"Os números são muito superiores no caso da recolha seletiva porta a porta", reforçou Paulo Lucas, chamando a atenção para as Lajes das Flores, um caso interessante pois na mesma ilha convivem dois municípios com dois tipos de recolha. "Conseguimos obter resultados diferentes com a recolha seletiva porta a porta e é a comprovação que precisávamos de que os ecopontos estão no limite da sua capacidade para obter a colaboração do cidadão e o porta a porta é o sistema que é mais eficaz", resumiu o ambientalista.

Por isso, a associação ambientalista Zero defende uma aposta no sistema porta a porta, principalmente nas áreas urbanas, por exemplo através de financiamentos do programa operacional para a área do ambiente, que ainda se centra muito nos ecopontos. Com o sistema porta a porta, "os cidadãos colaboram mais e responsabilizam-se mais e toda a gente fica a ganhar porque a quantidade de recicláveis que entram nos sistemas e são encaminhados para a reciclagem é muito maior", concluiu.


Notícia: jornal «Açoriano Oriental».
Saudações florentinas!!

terça-feira, 6 de junho de 2017

Município de Santa Cruz com qualidade excelente na água para consumo humano

Sete dos 19 concelhos açorianos foram premiados pela Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos dos Açores por terem água para consumo humano com qualidade "excelente" no ano passado.

Santa Cruz das Flores, São Roque do Pico, Nordeste, Ponta Delgada, Ribeira Grande, Angra do Heroísmo e Praia da Vitória receberam o "selo de qualidade" relativo à água da rede pública nos respetivos concelhos no ano de 2016, que apresentaram uma média acima dos 99%. Este foi o segundo ano em que a ERSARA atribuiu este galardão, contribuindo para reforçar a confiança na qualidade da água por parte dos consumidores.

O administrador da empresa reguladora da qualidade da água nos Açores destacou o papel de todas as entidades gestoras das redes públicas de água na Região, que considera ter sido fundamental para aumentar a qualidade da água em todo o arquipélago. Hugo Pacheco acrescentou que, no futuro, com a elaboração de planos de segurança da água será possível prever eventuais contaminações microbiológicas na rede pública.

Os resultados das mais de 22 mil análises efetuadas à rede pública de água na Região revelam que a qualidade da água "é boa em todas as ilhas dos Açores", embora nem todos os concelhos tenham alcançado um patamar de excelência. O presidente da ERSARA afirmou que, pelo facto de sete concelhos terem sido premiados, não significa que os restantes não tenham uma "boa" qualidade de água.


Notícia: «Açoriano Oriental», RTP Açores e «Correio dos Açores».
Saudações florentinas!!

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Como surgiu o feriado do Dia da Região

A criação do Dia dos Açores, feriado regional que se comemora na Segunda-feira do Espírito Santo, foi aprovada pela Assembleia Legislativa Regional em Junho de 1980 mas sem consenso quanto à data.

Segundo o Diário das Sessões da Assembleia Regional, na reunião plenária realizada em 26 de Junho de 1980 o grupo parlamentar do PS (então minoritário) apresentou um projeto de decreto regional para criar o Dia da Autonomia dos Açores, tendo a mesa da Assembleia recebido uma proposta de substituição dos social-democratas.

A proposta socialista defendia o feriado regional a 2 de Março, justificando que naquele dia em 1895 foi promulgado o Decreto que instituiu a autonomia administrativa dos Açores, enquanto a proposta do PSD preconizava a Segunda-feira do Espírito Santo, culto que remonta ao povoamento dos Açores.

No debate, o deputado socialista Daniel de Sá sustentou que a instituir-se um feriado regional "essa iniciativa só pode basear-se no caráter da Região Autónoma que é reconhecido aos Açores e só deve ser, portanto, uma homenagem à Autonomia. Assim, a solução mais lógica será a de se conceder ao dia 2 de Março a qualidade de feriado regional", acrescentou o parlamentar.

Na resposta, o deputado Manuel Melo (do PSD) retorquiu que "essa data hoje pouco diz ao nosso povo, há que encontrar uma outra que congregue o povo dos Açores, de Santa Maria ao Corvo, e que desde os primeiros anos do povoamento destas ilhas tenha para todos um significado especial. Essa data é a Segunda-feira do Espírito Santo", concluiu.

Na única declaração de voto, que se seguiu à aprovação da proposta do PSD, o deputado José Manuel Bettencourt (PS) afirmou que "o Espírito Santo é nos Açores e tem nos Açores profundas raízes. Mas, que eu saiba, o Espírito Santo não fez absolutamente nada para a concretização e para a conquista da Autonomia".


Notícia: jornal «Açoriano Oriental».
Saudações florentinas!!

domingo, 4 de junho de 2017

Azores Fringe 2017 na ilha das Flores

De 26 de Maio a 30 de Junho, o festival internacional Azores Fringe reúne este ano 300 artistas nas nove ilhas açorianas.

O calendário da quinta edição do festival Azores Fringe integra o Encontro & Expedição Fotográfica na ilha das Flores, com um grupo de 14 artistas prontos a explorar o ponto mais ocidental da Europa entre dia 9 e 12 de Junho com diversas actividades.

Na noite da próxima sexta-feira (dia 9), a população florentina é convidada a ir até ao porto das Lajes para assistir ao Festiva Lente, um projeto artístico em veleiros a navegar por portos de todo o Mundo, que chega à ilha das Flores com artes de circo, música e dança de cabaret para toda a família.

Incluído ainda na programação do festival Azores Fringe 2017 na ilha das Flores, a associação Reinventar Ilhas apresenta o concerto de Carlos Kabeção no próximo sábado (dia 10) pelas 21 horas no Valzinho, na freguesia da Fazenda. A entrada será gratuita e o concerto será ao ar livre se o tempo assim o permitir. A associação Reinventar Ilhas convida toda a população da ilha das Flores e recomenda que cada espectador traga uma almofada e manta para o seu conforto.


Notícia: «Açoriano Oriental» e «Diário Insular».
Saudações florentinas!!