segunda-feira, 24 de julho de 2017

Festa do Cais das Poças muda de espaço

As obras em curso no Porto das Poças determinam que a festa Cais das Poças seja este ano “transferida” para as imediações do campo de futebol. A autarquia de Santa Cruz garante, no entanto, que a mudança em nada irá condicionar a qualidade do evento.

“Esta mudança do local do festival não vai ter nenhuma influência na qualidade da edição deste ano do Cais das Poças”. A garantia é dada por Fábio Medina, vereador da Câmara Municipal de Santa Cruz e um dos responsáveis pela organização do evento, ressalvando que, dado o prazo de execução estimado das obras, possivelmente o festival só deverá regressar ao Porto das Poças na edição de 2019.

“Um sítio diferente, no entanto, vai permitir fazer outras iniciativas que no Porto das Poças seriam um pouco limitadas pelas condições do próprio espaço, já que tínhamos uma paisagem muito bonita (que é o mar e toda a sua envolvência), mas que funciona como barreira para certas atividades. Assim, se no ano passado fazíamos atividades relacionadas com o mar, este ano vamos variar, aproveitando o facto de termos nas proximidades o campo de futebol e o pavilhão gimnodesportivo. Por exemplo, neste último espaço, vamos ter uma feira de atividades económicas, iniciativa que pretende ser uma montra de excelência do que temos no nosso comércio local”, referiu o vereador.

Ao longo dos três dias de duração do Cais das Poças 2017, vai ser possível almoçar e jantar no recinto do festival. “Restaurantes serão três. São espaços com maior dimensão para que as pessoas possam comer lá dentro. Depois, temos oito tasquinhas que também vão ter mesas mas ao ar livre, onde as pessoas podem degustar petiscos”, revela o vereador Fábio Medina.

Tanto os restaurantes como as tasquinhas obedecem a um regulamento criado pela autarquia e que determina a obrigatoriedade de terem, no mínimo, três pratos típicos da ilha das Flores. Quer isto dizer que não irão faltar os afamados pratos de linguiça com inhame, a morcela, o cabrito à moda da freguesia de Ponta Delgada, e ainda muito peixe e marisco.


Notícia: suplemento especial do jornal «Açoriano Oriental».
Saudações florentinas!!

domingo, 23 de julho de 2017

PPM pede a demissão do diretor dos Serviços de Desenvolvimento Agrário

O PPM anunciou a entrega de um projeto de resolução na Assembleia Regional a recomendar a exoneração do diretor dos Serviços de Desenvolvimento Agrário das Flores e Corvo, que responsabiliza pelo "serviço irregular" da veterinária na ilha do Corvo.

"A médica veterinária colocada na ilha do Corvo está novamente a prestar um serviço irregular e não permanente na ilha. Este facto está a prejudicar gravemente os agricultores corvinos e a economia local", refere o PPM em comunicado.

No projeto de resolução, o PPM recomenda a exoneração do diretor dos Serviços de Desenvolvimento Agrário das Flores e Corvo "por incompetência e má gestão", referindo que o Governo Regional "tem conhecimento do mau funcionamento e age com cumplicidade".

O deputado Paulo Estêvão afirmou ter recebido queixas de agricultores corvinos impossibilitados de fazer abate de animais. "A médica veterinária não está a desempenhar as funções na ilha do Corvo e nas suas ausências não é substituída", referiu o deputado do PPM, assinalando que o problema "tem vindo a acentuar-se, com as ausências a serem por um maior período de tempo". Paulo Estêvão acrescentou que "o diretor autoriza as ausências, pelo que com o projeto de resolução se vai ver a legalidade deste tipo de autorizações e como estas afetam o serviço público".

A Secretaria Regional da Agricultura e Florestas fez saber que "refuta as acusações contra o diretor dos Serviços de Desenvolvimento Agrário das Flores e Corvo, até porque a pessoa em questão iniciou funções recentemente". João Ponte sublinhou que relativamente ao desempenho do serviço de veterinária no Corvo, "tem sido integralmente cumprido em estreita articulação com o poder autárquico e associações e cooperativas do setor".


Notícia: jornal «Açoriano Oriental».
Saudações florentinas!!

sábado, 22 de julho de 2017

Faleceu o cónego José Gonçalves Gomes

Para além do serviço sacerdotal, o padre José Gomes integrou o grupo de professores que, em 3 de Outubro de 1959, criou o Externato da Imaculada Conceição.

Faleceu ontem o cónego José Gonçalves Gomes, com 91 anos de idade. Sacerdote há 65 anos, era cónego da Sé de Angra.

José Gonçalves Gomes nasceu a 8 de Setembro de 1926 na freguesia da Fajã Grande, na ilha das Flores.

Em 2 de Outubro de 1940, após terminar o ensino primário na sua terra natal, José Gomes matriculou-se no Seminário de Angra, onde completou os cursos de Filosofia e Teologia. Em 1 de Junho de 1952 foi ordenado presbítero na Sé Catedral de Angra e no dia 22 do mês seguinte celebrou a sua Missa Nova na Matriz das Lajes.

Foi nomeado vigário cooperador da Matriz de Santa Cruz das Flores, da qual era pároco o padre Maurício António de Freitas, tomando posse em Março de 1953. Para além do serviço sacerdotal, o padre José Gomes também integrou o grupo de professores que, em 3 de Outubro de 1959, criou o Colégio ou Externato da Imaculada Conceição, hoje Escola Padre Maurício António de Freitas.

A 8 de Outubro de 1960 foi nomeado pároco da freguesia da Fajã Grande, assumindo também o serviço sacerdotal do lugar da Ponta da Fajã. Aí se manteve até 10 de Junho de 1965, data em que foi colocado na paróquia da Fazenda das Lajes.

Em 27 de Outubro de 1974 assumiu as funções de pároco da freguesia dos Biscoitos e das Quatro Ribeiras, da Ouvidoria da Praia da Vitória, na ilha Terceira; e em 11 de Setembro de 1978 foi nomeado para a paróquia de São Bartolomeu. Também, durante cerca de seis anos, desempenhou as funções de Ouvidor de Angra do Heroísmo. Simultaneamente, em 5 de Maio de 1984, passou a ser pároco consultor da Diocese.

Em 27 de Março de 1991, o bispo Aurélio Granada Escudeiro nomeou-o cónego do cabido da Sé de Angra, como corolário da sua competência e da sua dedicação às atividades que profissionalmente exercera em prol da Diocese. Finalmente, em 30 de Abril do mesmo ano foi nomeado chanceler da Cúria Diocesana, abandonando o serviço pastoral, passando a trabalhar na Cúria de Angra, cidade onde fixou residência.

Faleceu esta sexta feira, 21 de Julho de 2017. As exéquias fúnebres decorrem este sábado às 9 horas, com missa de corpo presente na Sé de Angra.


Notícia: portal Igreja Açores.
Saudações florentinas!!

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Açores são a quarta jóia rara da Europa

A Mastercard revela os 'tesouros escondidos' da Europa e que merecem ser desvendados, conhecidos e aclamados já este Verão.

Os Açores ocupam o quarto lugar do Top 15 dos Tesouros Escondidos da Europa, de acordo com um guia europeu elaborado pela Mastercard que desvenda os destinos de viagem mais especiais, menos conhecidos e acessíveis na Europa.

Foram vários os locais e atributos apontados ao arquipélago dos Açores, entre os quais ser considerado um paraíso pouco explorado a um preço acessível, mas de uma beleza natural extraordinária.

Os Açores só são ultrapassados neste ranking das “jóias raras escondidas” da Europa pela região de Salzkammergut (na Áustria), pela cidade medieval de Zebugg (em Malta) e pela região das Astúrias (no norte da Espanha).

Os destinos que fazem parte do Top dos Tesouros Escondidos na Europa foram eleitos com base em dados da Mastercard, informações de bloggers de viagens locais e especialistas em turismo, e tiveram em consideração atributos como a beleza, a densidade de turistas, a aceitação de pagamentos, o custo da estadia e a conveniência.


Notícia: jornal online «Opção Turismo» e «Correio dos Açores».
Saudações florentinas!!

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Competição Santa Cruz Garden Tour

A associação Choki Açores, em parceria com a Câmara Municipal de Santa Cruz das Flores e os Serviços Florestais, promovem o primeiro Concurso Anual Quintal/Jardim frontal de Santa Cruz das Flores.

Andrea Pinto, co-fundadora da Choki Açores, refere estar satisfeita com a parceria com estas duas entidades públicas, a qual permitirá reconhecer o trabalho dos jardineiros locais que estão a tornar as suas freguesias mais verdes e mais atraentes.

Os residentes são encorajados a participar no Concurso de Jardins, com o seu quintal, pátio, muro, janela e/ou outro local similar, ou nomeando um vizinho ou conhecido, que serão avaliados pelo júri do concurso, constituído por um membro de cada entidade acima referida.

Podem participar nesta Primeira Competição Anual Santa Cruz Garden Tour todos os cidadãos residentes no concelho de Santa Cruz das Flores, ou seja nas freguesias de Caveira, Santa Cruz, Cedros e Ponta Delgada.

É necessário cumprir um conjunto de três regras: somente os jardins plantados por jardineiros amadores são elegíveis - nenhum trabalho efetuado por profissionais será permitido; o concurso aplica-se a jardim de vegetais, plantas endémicas, flores e qualquer outro tipo de jardim e apenas pode participar um jardim por casa.

Os vencedores da Primeira Competição Anual Santa Cruz Garden Tour serão anunciados a 25 de Agosto. Os jardins serão avaliados ​​pelo júri na semana anterior ao evento. Os jardins serão avaliados pela criatividade, desenho, uso de recursos de reciclagem e beleza. É incentivado o não uso de químicos.

Quem precise de plantas pode/deve contactar o Viveiro Florestal da Boca da Baleia, situado nas Lajes das Flores, que dispõe de uma grande variedade de plantas, cedidas gratuitamente para o benefício da comunidade. Numa visita ao Viveiro Florestal da Boca da Baleia poderá selecionar as suas plantas e receber conselhos sobre como criar um jardim.

Para nomear o seu jardim ou um jardim que você admira, deverá preencher a respetiva inscrição até 28 de Julho no Café das Flores no Aeroporto.

Saudações florentinas!!

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Melhores condições nas zonas balneares

A Câmara Municipal de Lajes das Flores candidatou-se na presente época balnear ao programa Praia Saudável da Direção Regional dos Assuntos do Mar e da fundação Vodafone Portugal.

Nas zonas balneares do concelho das Lajes passam a estar disponíveis cinzeiros de praia para utilização pontual de todos os banhistas. Devem então os banhistas colocar as suas beatas no cinzeiro e no final do dia de banhos devem despejar o conteúdo do cinzeiro num contentor de lixo e voltar a colocar o cinzeiro no suporte. Solicita-se a adopção de um comportamento responsável por um ambiente de melhor qualidade.

A Câmara Municipal das Lajes tem vindo a desenvolver todos os esforços para melhorar as condições das zonas balneares do concelho mais ocidental da Europa. Durante esta época balnear estará disponível material básico de salvamento, nomeadamente bóia circular e cabos. Estes material deve ser utilizado com responsabilidade e civismo, e em caso de necessidade devem ligar para o contacto telefónico de emergência 112 ou as autoridades locais. Os banhistas devem consultar também o painel informativo disponível nas zonas balneares.


Notícia: "sítio" da Câmara Municipal de Lajes das Flores.
Saudações florentinas!!

terça-feira, 18 de julho de 2017

Inédito na história da nossa Autonomia

A Comissão parlamentar de Economia da Assembleia Legislativa Regional está reunida hoje na ilha das Flores sem a presença dos deputados da oposição.

Os deputados da oposição cumprem o que anunciaram na semana passada à margem da sessão plenária, depois de o presidente da Comissão de Economia, o socialista Miguel Costa ter anunciado uma queixa-crime contra os partidos da oposição que o acusaram de abuso de poder e de mover influências junto da anterior Administração da Unidade de Saúde da ilha do Pico.

De acordo com notícia da Antena 1 Açores do passado dia 12, Miguel Costa considera que o seu bom nome foi lesado pelos partidos da oposição durante um debate de urgência realizado na Assembleia Regional, a respeito das alegadas ingerência do PS na Administração Pública. Contactado pela agência Lusa, o deputado não quis comentar o caso.

Hoje a Comissão parlamentar de Economia, só com deputados do PS, está na ilha das Flores a ouvir diversas entidades no âmbito de um projeto de resolução, apresentado pelo deputado João Paulo Corvelo, que recomenda ao Governo Regional a abertura de concurso para o corte, comercialização e reflorestação das matas de criptoméria em estado de maturação adequado na ilha das Flores.


Notícia: jornal «Açoriano Oriental».
Saudações florentinas!!

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Assembleia Regional aprova voto de congratulação pela ordenação sacerdotal do jovem florentino Jacob Vasconcelos

Iniciativa parlamentar foi da autoria do deputado do PCP da ilha das Flores, de onde o novo sacerdote é natural.

A Assembleia Legislativa Regional aprovou um voto de congratulação pela ordenação do novo padre diocesano Jacob Vasconcelos.

A iniciativa apresentada pelo deputado florentino João Paulo Corvelo destaca as qualidades pessoais e intelectuais do novo presbítero da diocese de Angra. “De relacionamento fácil, muito afável, próximo e franco com todos, o padre Jacob é um jovem preparado para a sua tarefa evangelizadora e para o seu ministério sacerdotal, como referem aqueles que lhe foram mais próximos na sua formação”, refere o deputado que começa o texto do Voto com uma pequena biografia do padre Jacob Vasconcelos e o seu percurso formativo.

“Possuidor de forte carisma, ao padre Jacob “só” se lhe pode pedir que continue com a sua generosa dedicação às causas e a sua disponibilidade enérgica para o serviço aos outros”, sublinha o deputado João Paulo Corvelo.

Aprovado esta quarta-feira (dia 12), o Voto refere ainda a Missa Nova que o sacerdote celebrou no dia 2 de Julho na sua paróquia natal, Ponta Delgada. “Acolhimento, renascimento e desprendimento” são qualidades imprescindíveis para Jacob Vasconcelos, como referiu na sua Missa Nova, onde acrescentou que a radicalidade é uma forma de entrega, pois só quem ama verdadeiramente pode entregar-se ao outro”, afirma o texto do Voto.

O padre Jacob Vasconcelos tem 24 anos e espera agora a sua primeira colocação. Está neste momento a pregar o novenário das Festas de Santa Maria Madalena, na ilha do Pico.


Notícia: "sítio" Igreja Açores.
Saudações florentinas!!

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Passagens inter-ilhas são exorbitantes

Numa altura em que ainda se vivencia o “boom das low cost” e quando nos defrontamos com preços de passagens aéreas mais baratas para o Continente do que para as próprias ilhas, questionamo-nos inevitavelmente para quando um novo modelo que permita aos açorianos viajar a preços mais justos dentro de casa.

É certo que existe a tarifa residente na companhia de aviação SATA, mas viajar dentro dos Açores é atualmente muito caro.

Ainda recentemente a própria direção da Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada colocou este assunto na ordem do dia regional. O presidente da CCIPD defendeu que está na altura de se rever o atual modelo de transporte aéreo regional, com o intuito de o “tornar mais sustentável” e de corrigir aspetos relacionados precisamente com “o elevado preço das passagens inter-ilhas, quando comparado com o praticado nas ligações com o Continente”. Esta é uma preocupação e aspiração de muitos açorianos.

Mário Fortuna rcordou – e bem – que o teto máximo depois do reembolso para viagens entre as ilhas e o continente é de 134 euros e que, no caso das tarifas inter-ilhas, podem “pagar a mesma coisa ou mais”.

Assim, fui fazer uma simulação de uma viagem na SATA entre Ponta Delgada-Flores (ida e volta) para o mês de Julho e para uma pessoa com a tarifa de residente. O preço final foi precisamente de 151,48 euros. Outra simulação, e seguindo os mesmos critérios, todavia entre Ponta Delgada-Terceira. O custo final foi de 146,60 euros.

Questiono-me sobre quantos açorianos não devem pensar duas vezes entre fazer férias cá dentro ou ir para fora quando se deparam com este tipo de preços. Para uma família de três pessoas ronda perto dos 500 euros, isto sem contar com estadia, alimentação, transportes, etc.

São deslocações caras. Não é de duvidar o porquê de porem em causa a própria Região como um destino de férias. A agenda política terá forçosamente que pegar neste tema mais tarde ou mais cedo. Nada é impossível. Além do mais, devem ser muitos mais os filhos desta terra que não conhecem o arquipélago como um todo, ou seja, as nove ilhas, do que aqueles que as conhecem.

As “low cost” também eram uma miragem, mas felizmente foi uma aspiração que se concretizou - a bem de todos os açorianos - e que tem trazido impactos positivos. Todavia existem ainda ilhas como Santa Maria onde o turismo tem decrescido. Por isso, é necessário que se repense o atual modelo de tarifas de transporte aéreo a bem do nosso povo.

Com exceção dos políticos, e daqueles que têm necessidades profissionais que ocasionalmente os obrigam ir a todas as ilhas, o certo é que a maioria dos açorianos não conhece o arquipélago no seu todo.

Sou ainda de uma geração que não conhece todas as ilhas e o mesmo aconteceu com as gerações anteriores. Será que é este o legado que se pretende passar? É imperativo que haja intervenção do Governo Regional, dos partidos, das organizações e da própria sociedade civil em torno deste assunto.

Com a respetiva diminuição do preço dos transportes aéreos podemos dar um grande passo para a coesão territorial, económica e social. Podemos promover a economia do próprio arquipélago e inevitavelmente o turismo das mais variadas ilhas como um todo. Avance-se para a diminuição do preço das tarifas aéreas inter-ilhas. Com boa vontade política de todos os intervenientes conseguimos chegar lá. O futuro passa forçosamente pela coesão arquipelágica.


Opinião de Carmen Gaudêncio, publicada no «Açoriano Oriental».
Saudações florentinas!!

terça-feira, 11 de julho de 2017

Ajuda prestada a veleiro em dificuldades

Na passada quinta-feira (dia 6), a Autoridade Marítima apoiou um veleiro a cerca de 20 milhas a oeste da ilha das Flores, com uma avaria no motor que o impossibilitava de praticar águas restritas e, consequentemente, de entrar no Porto das Lajes.

A situação foi acompanhada pela Capitania do Porto e pelo comando-local da Polícia Marítima de Santa Cruz das Flores. Sem que existissem alternativas de auxílio, uma equipa da Capitania de Santa Cruz das Flores foi ao encontro do veleiro com bandeira suíça na vizinhança do porto e conduziu-o ao seu interior, onde a manobra foi concluída com a assistência da Polícia Marítima.

O veleiro Shedir, com três pessoas a bordo, apesar de não se encontrar em perigo imediato, carecia de entrar no porto das Lajes e proceder a reparações mecânicas, ação que não conseguia fazer pelos próprios meios.


Notícia: jornal «Açoriano Oriental».
Saudações florentinas!!

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Memórias da rádio a Ocidente

Andava eu na rebeldia da adolescência quando a Rádio Flores emitia na frequência 104.5 FM. Da janela do meu quarto o meu minúsculo aparelho não conseguia captar o sinal. Era um jogo de “apanhada” entre uma janela e outra da casa dos meus pais para tentar apanhar em condições o sinal retransmitido do lugar da Ponta Ruiva.

Na altura, o nosso querido Max (era assim tratado o responsável pela estação) passava músicas com dedicatórias, publicidade do comércio local e notícias locais de interesse para a população. Era feito um esforço da parte dele e da parte dos seus colaboradores que se dividiam entre os seus trabalhos e a carolice de fazer rádio nos tempos em que esta ainda era a companhia das famílias e um meio de difusão e comunicação nas pequenas localidades.

Anos mais tarde, com a saída do Max da ilha, a rádio calou-se. E ficou um silêncio tão grande e um vazio tão intenso que juntou um grupo de jovens, movidos pela irreverência, pela rebeldia, mas sobretudo por uma sede de cultura que os fez iniciar o projeto da “SOS pirata”. Sim era um verdadeiro SOS.

Eram as vozes locais que se queriam fazer ouvir, que se queriam difundir uma vez mais numa frequência emitida a muito esforço por aparelhos “reinventados” por cérebros pulsantes e enérgicos que durante algum tempo levaram às casas das nossas gentes o saber local e a cultura da nossa pequena tribo nesta pequena ilha perdida no Atlântico. Silenciados foram também por politiquices e pelas “legalidades” e formalidades que desgastam aqueles que a algum custo tentam fazer viver as pequenas ilhas.

Hoje ouvir rádio já não é o que era. As emissoras que chegam às nossas casas estão bastante “distantes” de nós, da nossa cultura, das nossas vivências e das nossas notícias.

Um dia os nossos filhos e netos sentirão falta do registo noticioso da história da nossa ilha. As leis e as exigências e os custos incutidos aos órgãos de comunicação social são a “morte” do papel fundamental que eles exerciam, são a “morte” do registo local que se fazia.

Caiu as Flores no silêncio. Aquele silêncio que a alguns conveio!


Opinião de Maria José Sousa, publicada no «Azores News».
Saudações florentinas!!

domingo, 9 de julho de 2017

Boas práticas de separação de resíduos nas festividades de Verão na nossa ilha

Tendo iniciado as festividades de Espírito Santo e em breve a temporada de festas de Verão, a Câmara Municipal de Lajes das Flores relembra a necessidade da separação de resíduos em todos os bazares, tascas e cozinhas.

O Município de Lajes das Flores continuará a disponibilizar todos os meios necessários para facilitar e atingir os objetivos pretendidos. Esta é uma tarefa que depende da boa vontade de cada comissão de festas e da sua organização, não representando trabalho extra mas um contributo para a boa acomodação dos resíduos produzidos, mantendo os contentores e espaço envolvente asseados.

A Direção Regional do Ambiente relembra também as boas práticas para a redução do desperdício alimentar e separação de resíduos.


Notícia: "sítio" da Câmara Municipal de Lajes das Flores.
Saudações florentinas!!

sábado, 8 de julho de 2017

«Brumas e Escarpas» #125

O naufrágio do Papadiamandis

No dia 22 de Dezembro de 1965 deu-se mais um memorável naufrágio nos mares da Fajã Grande. O navio, um cargueiro liberiano de nome Papadiamandis, com um calado de 14.300 toneladas, encalhou na Ponta da Coalheira, entre a Retorta e o Caneiro das Furnas. O cargueiro viajava de New Orleans para Hamburgo, com um carregamento de milho, trigo e feijão. Viajavam a bordo trinta e um tripulantes, tendo todos sido salvos e conduzidos para Santa Cruz onde se albergaram, com exceção de três que foram recolhidos por um navio que, navegando ao largo, ao pedido de auxílio se aproximou da embarcação a fim de prestar ajuda aos naufragos.

Este foi, na verdade, o último grande naufrágio dos muitos que, sobretudo no século XIX, ocorreram por toda a ilha das Flores, com particular incidência na sua costa oeste, incluindo os extensos baixios da Fajã Grande, uma espécie de fronteira entre a Europa e a América, na qual, naturalmente, se inclui o ilhéu do Monchique – o torrão mais ocidental da Europa e a própria - e a Baixa Rasa, pese embora a maioria das embarcações naufragadas, a exemplo do Papadiamandis e da Bidart, se encafuassem nos próprios baixios e laredos que separam a terra do mar.

Assim como noutros casos, o naufrágio do Papadiamandis atirou para terra uma quantidade enorme de utensílios do próprio navio e de grande parte da própria carga, o que fez com que muitas pessoas demandassem a costa, em primeiro lugar para prestar ajuda e auxiliar os náufragos mas, posteriormente, para recolherem restos de carga e peças ou utensílios do navio. No caso do Papadiamandis a recolha, porém foi muito limitada dada a acção permanente e contínua da Guarda Fiscal que não deixava ninguém aproximar-se do navio nem da zona circundante do baixio.

Na verdade quase sempre os naufrágios constituíram, para a população da Fajã Grande e de outras localidades, uma oportunidade suplementar de rendimento, desde que aos salvados conseguissem chegar primeiro que as autoridades aduaneiras. Estranho mas memorável para as gentes da Fajã Grande terá sido o Natal de 1869! É que nesse 25 de Dezembro deu ali à costa, carregada de açúcar mascavado, um sabor de muitos ainda desconhecido, e de aguardente, a barca francesa Republique, que o povo logo invadiu, levando quanto pôde, numa abundância tal que, nas semanas seguintes, até com açúcar se temperaram caldos de couves. Foram, todavia, os grandes carregamentos de madeira de pinho resinoso que, de forma mais visível, ajudaram a perpetuar a memória, um pouco por toda a ilha, de algumas dessas já longínquas tragédias marítimas. Consta que a Igreja da Ponta, a exemplo de outras da ilha, foi construída com madeiras de naufrágios.

Do espólio do Papadiamandis que transportava mais de 14 mil toneladas de milho, pouco ou nada recolheu o povo da Fajã Grande, devido sobretudo ao cerco eficiente e à vigilância permanente da Guarda Fiscal. Conta-se até que uma criança de tenra idade ao ser encontrada por um elemento daquela força policial com uma lata de milho, mais por ver ali um brinquedo estranho porque de milho cozido não necessitava, foi violentamente agredido pelo agente da autoridade e forçado a lhe entregar a respetiva lata.


Carlos Fagundes

Este artigo foi (originalmente) publicado no «Pico da Vigia».

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Passaram cá relíquias dos pastorinhos

Algumas relíquias dos pastorinhos santos Francisco e Jacinta estiveram na ilha das Flores.

A Diocese de Angra foi a primeira a receber as relíquias dos novos santos da Igreja. As relíquias de Francisco e Jacinta Marto foram expostas no âmbito da Quinta Peregrinação Diocesana de Acólitos, que recentemente decorreu na ilha das Flores. Os objetos em causa foram oferecidos pela Postulação da Causa de Canonização dos dois mais jovens santos não mártires da Igreja, uma vez que São Francisco Marto é patrono dos acólitos.

As relíquias estiveram expostas durante a Peregrinação Nacional dos Acólitos. Depois disso, a Diocese de Angra foi a primeira a receber esta iniciativa, até porque o tema da Peregrinação Diocesana centrou-se em Maria. "Nossa Senhora é a grande testemunha de serviço e missão dentro da Igreja e por isso deve ser um exemplo para todos", afirmou Luís Leal, padre a quem coube fazer as conferências sobre Nossa Senhora e a Mensagem de Fátima, que completa o seu centenário este ano.


Notícia: jornal «Diário Insular» e "sítio" Igreja Açores.
Saudações florentinas!!

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Governo quer alterar regras na Saúde

Governo Regional quer alterar as regras de deslocação dos médicos de especialidade às ilhas sem hospital.

Os incentivos financeiros não têm sido suficientes para atrair médicos para os Açores. O secretário regional da Saúde está a estudar alternativas para criar um novo sistema de fixação de médicos na Região.

Rui Luís afirma que "é preciso permitir que esses médicos ao virem para os Açores sintam que têm as mesmas condições que os seus colegas no território continental no acesso à formação e progressão nas suas competências, de terem cá as mesmas condições de investigação e ter apoio à família quando houver necessidade de deslocação de seus familiares para a Região".

As regras de deslocação de médicos especialistas para as ilhas sem hospital são uma das outras áreas que também estão a ser avaliadas.


Notícia: «TeleJornal» da RTP Açores.
Saudações florentinas!!

quarta-feira, 5 de julho de 2017

CMLF irá avançar para a monda térmica

Município das Lajes tem em agenda diversos projetos de preservação e sensibilização ambiental, dos quais assume especial realce a candidatura para a aquisição de equipamento de monda térmica.

Na defesa e promoção dos valores mais elementares de vivência responsável de relação com o meio ambiente, a Câmara Municipal de Lajes das Flores tem vindo a desenvolver diversas iniciativas que visam uma maior eficiência e responsabilidade ambiental, pela autarquia em primeira instância mas também por munícipes e turistas, de modo que o concelho continue a destacar-se na vanguarda de boas práticas ambientais.

Fazendo parte de um projeto mais vasto e global, neste momento a Câmara das Lajes está a desenvolver um sub-projeto, co-financiado pelo programa comunitário ProRural+, que prevê diversas iniciativas visando munir o município de novos contentores para recolha seletiva de resíduos, munir todos os domicílios de recipientes adequados para separação de resíduos e permitir meios de divulgação e sensibilização para a temática ambiental e de separação de resíduos.

Numa segunda fase, a Câmara das Lajes prevê avançar com o restante projeto que vai implicar a aquisição de meios adequados de monda no concelho, introduzindo a monda térmica – totalmente alinhada com esta intenção de incrementar as politicas municipais de preservação ambiental. Por outro lado, o Município das Lajes vai também desenvolver uma campanha de sensibilização, de maior ênfase no turismo, que procure promover a importância das áreas e locais de proteção ambiental, que em ultima análise na ilha das Flores se aplica a todo o território, por consequência da atribuição da insígnia de Reserva da Biosfera.

Com estas iniciativas a edilidade lajense procura cumprir com a sua obrigação de ser exemplo na constante evolução no sentido de maior respeito ambiental, de contribuir continuadamente para o aumento da qualidade de vida da população, atual e futura, e de contribuir para a preservação e valorização do rico património natural do concelho das Lajes e da ilha das Flores, o que também ajudará a difundir pelo público visitante uma imagem de total harmonia dos lajenses com o meio que os rodeia.


Notícia: "sítio" da Câmara Municipal de Lajes das Flores.
Saudações florentinas!!

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Natureza maravilhou Diogo Morgado

O ator viajou até às Flores no culminar de um périplo por várias ilhas. Na ilha mais ocidental dos Açores encontrou a Natureza em estado puro. Objetivo do percurso insular: escolher cenários para um novo filme.

Das ilhas açorianas, Diogo Morgado conhecia apenas São Miguel. Até que recentemente empreendeu um percurso por várias ilhas dos Açores, de oriente para ocidente, em busca de paisagens naturais de beleza impressionante e em estado quase selvagem. Um dos pontos altos da viagem esteve na passagem pelas Flores, ilha de cenários naturais deslumbrantes, de vegetação frondosa pontuada por lagoas e cascatas, e de riqueza geológica imensa (observe-se a Rocha dos Bordões). Nesse percurso de descoberta, Diogo Morgado encontrou a natureza no seu estado mais puro. E confirmou as expetativas. "Do que conheço do mundo, os Açores são um dos lugares mais incríveis e característicos", afirma.

A estadia nas Flores foi o culminar de um périplo por cinco ilhas, percorridas em outros tantos dias, que passou também por São Miguel, Terceira, Faial e Pico – e que o surpreenderam pela diversidade. "É impressionante como ilhas tão próximas umas das outras conseguem ser tão diferentes." Por vezes debaixo de intempéries, o ator embrenhou-se no contacto com a natureza, deslumbrando-se perante o exotismo da paisagem. Afastando-se dos aglomerados urbanos, Diogo Morgado trilhou caminhos por entre a vegetação, observou o cenário desértico do vulcão dos Capelinhos, atravessou o canal entre o Faial e o Pico. Mas recusa dizer que locais considerou mais marcantes. "Seria injusto, quando todos têm um valor incrível."

Contudo, a jornada insular teve mais do que um intuito contemplativo. Diogo Morgado procurava cenários para uma longa-metragem, um thriller de ação passado numa ilha remota, em que co-assinará o argumento. Dos locais a filmar, nas Flores e nas outras ilhas visitadas, prefere manter reserva. Apenas tem uma certeza: "Queremos ter os Açores como cenário e mostrar como é bonito o nosso país. Não temos noção do país que temos." O arquipélago será mais uma personagem, composta por um pouco de cada ilha – que Diogo Morgado faz questão de mostrar ao exterior. "Queremos divulgar como é especial e único."


Crónica publicada na revista de bordo da SATA «My Plan» #7.
Saudações florentinas!!

domingo, 2 de julho de 2017

Magia da música... com a viola-da-terra

Este pequeno vídeo contém imagens sem grande qualidade, pois nada foi previsto para a sua captura. A intenção é mostrar o quão universal é a música e o que pode ela fazer em certas pessoas.

Obrigado a todos os presentes por este magnífico serão recheado de cumplicidade, entre muitas outras coisas.

Obrigado ao Hotel Café, onde foram captadas as imagens. Obrigado especial à Luísa Silveira pela recolha das imagens possíveis.


Vídeo: YouTube de José Agostinho Serpa.
Saudações florentinas!!

sábado, 1 de julho de 2017

Continua proibida a caça ao coelho

A caça ao coelho-bravo está proibida nas ilhas das Flores e Santa Maria até 2018. A informação foi publicada com os novos calendários venatórios.

Nos últimos dois anos, os calendários venatórios têm sido condicionados pelos efeitos da nova variante da Doença Hemorrágica Viral nas populações de coelho-bravo, sendo que nas Flores e em Santa Maria o nível de abundância deste animal tem demorado mais tempo a recuperar em comparação com as restantes ilhas.

Na Graciosa, São Jorge, Pico e Faial a época da caça começou hoje, com permissão para capturar coelho-bravo, enquanto em São Miguel e na Terceira só será possível caçar esta espécie a partir de Setembro, em horários específicos e com limite diário de abates de dois animais por caçador. Nas ilhas das Flores e Santa Maria a caça tem início em Agosto e apenas para o pombo-da-rocha.

Os calendários venatórios indicam aos caçadores quais as espécies que podem ser apanhadas, o período em que a caça pode ser exercida, o número de peças que podem ser abatidas, os locais onde a caça é permitida e os processos de caça que podem ser utilizados. Com estes calendários pretende-se salvaguardar a oferta de caça e, simultaneamente, garantir a sobrevivência das espécies dentro de valores sustentáveis.

Recentemente, o secretário regional da Agricultura e Florestas garantiu que a monitorização aos coelhos-bravos e à febre hemorrágica é permanente. Ainda assim, João Ponte sublinhou tratar-se de um problema de resolução lenta e referiu que a estratégia do Governo Regional passa por "acompanhar a evolução da situação, fazendo censos, vistorias regulares para deteção e recolha de amostras de cadáveres, que são depois enviados para análise".


Notícia: «Diário Insular», RTP Açores e «Açoriano Oriental».
Saudações florentinas!!

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Onde andam os autarcas florentinos?

A escala inaugural do navio de cruzeiros Boudicca na ilha das Flores ficou marcada pela lamentável ausência de qualquer cerimónia de boas vindas e troca de placas.

A data de 30 de Junho de 2017 ficará na história dos cruzeiros dos Açores, pois marca a escala inaugural do navio de cruzeiros Boudicca na ilha das Flores, que até esta data só tinha sido visitada por navios de menores dimensões e sempre inseridas em cruzeiros temáticos pelo arquipélago.

De facto é a primeira vez que um navio daquelas dimensões (205,5 metros) escala a ilha das Flores num cruzeiro transatlântico, numa clara demonstração do interesse que também a bela ilha das Flores despertou junto da popular operadora inglesa Fred Olsen Cruise Line.

Recorde-se que esta escala na ilha das Flores está inserida num cruzeiro transatlântico iniciado na cidade inglesa de Liverpool no passado dia 9 de Junho e teve como principal ponto de interesse a possibilidade dos seus passageiros acompanharem durante três dias a famosa regata America´s Cup que este ano se disputou nas Bermudas.

Depois de três dias atracado em Hamilton (capital das Bermudas), o navio Boudicca esteve hoje na ilha das Flores e amanhã estará na cidade da Praia da Vitória, ultimo porto de escala antes do seu regresso à cidade dos Beatles.

Ao contrário do que é usual nestas ocasiões, e ao que o Azores Cruise Club julga saber, não houve cerimónia de boas vindas e troca de placas entre as autoridades locais e o comandante do navio, situação que é hábito acontecer em Ponta Delgada, na Praia da Vitória, Horta e já este ano também aconteceu na ilha Graciosa. Sem dúvida alguma um facto que causa alguma estranheza, pois julgamos saber que é a primeira vez que tal acontece.


Notícia: blogue «Azores Cruise Club - Cruzeiros nos Açores».
Saudações florentinas!!

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Ordenação sacerdotal do diácono Jacob

Todas as comunidades católicas da ilha das Flores estão envolvidas nos preparativos, garante o ouvidor.

No próximo sábado (dia 1 de Julho) a ilha das Flores vai receber a ordenação sacerdotal do diácono Jacob Vasconcelos, natural da freguesia de Ponta Delgada, que decorrerá na Igreja Matriz de Santa Cruz, pelas 11 horas. É a segunda ordenação de um filho da terra em menos de 10 anos, mas aquela que está a mobilizar mais gente.

Jacob Vasconcelos tem 23 anos e está no Seminário de Angra desde os 15, altura em que entrou na Casa para completar o ensino secundário. Desde criança que foi estimulado na sua vocação.

Segundo o ouvidor, toda a ilha das Flores está mobilizada: “É uma imensa alegria e entusiasmo este acontecimento muito marcante para a vida da Ouvidoria”, refere o padre Rúben Sousa, recordando também “o conhecimento e a estima que todos nutrem pelo Jacob”.

A preparação desta festa, para além dos cânticos e dos aspectos litúrgicos, começa com o tríduo preparatório que se iniciou na terça-feira (anteontem, dia 27). Amanhã (sexta-feira, dia 30) haverá uma vígilia de oração, organizada maioritariamente por jovens. O coro, um dos aspectos valorizados em celebrações desta natureza, será composto por 90 vozes oriundas de todas as paróquias da ilha das Flores. Os ensaios, que já começaram, estão a ser dirigidos pelo reitor do Seminário Episcopal de Angra.

“É um projecto muito vivo e interessante porque já está toda a gente em clima de festa”, refere o padre Hélder Miranda Alexandre. “De facto é um momento de ação de graças mas ao mesmo tempo um momento pastoral muito intenso em que procuramos também desenvolver uma pastoral vocacional”, acrescenta o reitor, para quem Jacob Vasconcelos é um jovem “preparado”.

A ilha das Flores tem sido um espaço privilegiado para o desenvolvimento de um modelo de pastoral in solidum. As onze comunidades (dez paróquias e um curato) estão entregues a quatro sacerdotes presentes na ilha, sendo que um deles, o padre José Trigueiro, devido à idade, é o único que tem a cargo apenas uma comunidade. As restantes dez são assistidas pelos padres Rúben Sousa, Eurico Caetano e Pedro Aguiar e ainda pelo diácono permanente, Luís Alves.

A ordenação de Jacob Vasconcelos será presidida pelo bispo de Angra. A Missa Nova será celebrada na igreja da freguesia de Ponta Delgada no próximo domingo (dia 2 de Julho).


Notícia: "sítio" Igreja Açores.
Saudações florentinas!!

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Acólitos fazem peregrinação diocesana

Quinta Peregrinação Diocesana dos Acólitos vai ter lugar na ilha das Flores entre 29 de Junho e 1 de Julho.

Promovida pelo Serviço Diocesano de Liturgia, esta Quinta Peregrinação Diocesana dos Acólitos tem como tema “Como Maria, servimos Jesus” e contará com a presença do director do Serviço Nacional de Acólitos.

No dia 29 (amanhã) será feito o acolhimento dos participantes, sendo-lhes proporcionado um passeio pela ilha, oferecido pela Ouvidoria das Flores.

No dia 30 (sexta-feira) logo pela manhã haverá uma sessão enquadradora do tema desta Quinta Peregrinação Diocesana dos Acólitos e da parte da tarde realizam-se várias oficinas. A última oficina será sobre a Mensagem de Fátima e será orientada pelo padre Marco Sérgio Tavares, ouvidor adjunto de Ponta Delgada e membro do Serviço Diocesano de Liturgia.

À noite os acólitos serão convidados a participar na Vigília de Oração pelo diácono Jacob Vasconcelos, que será ordenado presbítero no sábado na Igreja Matriz de Santa Cruz das Flores.

Numa nota enviada a todos os sacerdotes açorianos, o Serviço Diocesano de Liturgia lembra que o alojamento e as refeições serão asseguradas e dinamizadas pela Ouvidoria das Flores. Nas últimas peregrinações diocesanas, realizadas nas ilhas do Pico, do Faial e de São Miguel, apenas a ilha do Corvo nunca participou.


Notícia: "sítio" Igreja Açores.
Saudações florentinas!!

terça-feira, 27 de junho de 2017

Nova revista à portuguesa d' A Jangada

Na próxima sexta-feira (dia 30 de Junho) será estreada a nova revista à portuguesa levada à cena pel' A Jangada - Grupo de Teatro, intitulada "Caldeirada à Portuguesa".

A peça será mostrada no auditório do Museu municipal de Santa Cruz pelas 21h30, sendo apresentada também nos dias 1, 3, 4 e 5 de Julho, à mesma hora e no mesmo local. A direcção artística desta revista à portuguesa esteve a cargo de Joaquim Salvador.

Saudações florentinas!!

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Sessão pública sobre doença do Machado

Nesta quarta-feira (dia 28) o Grupo Açoriano de Investigação em Neurogenética (GAIN) promove uma sessão de esclarecimento sobre a situação actual da doença de Machado-Joseph.

Nesta sessão pública de esclarecimento, que se realizará pelas 20 horas no Salão Nobre da Câmara Municipal de Santa Cruz das Flores, será inicialmente explicada a importância da investigação internacional na doença de Machado-Joseph, nomeadamente o projeto ESMI; também será feito um ponto de situação dos ensaios clínicos na DMJ e ainda será explicado o papel da Associação Atlântica de Apoio ao Doente de Machado-Joseph e os apoios prestados a esses doentes.

Notícia: blogue da Associação Amigos da ilha das Flores (AAiF).
Saudações florentinas!!

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Freguesia das Lajes das Flores angaria pela terceira vez consecutiva o Prémio Excelência do concurso Eco Freguesia

Nos galardões do ano 2016 do ‘Eco Freguesia, Freguesia Limpa’ foram distinguidas 28 freguesias de todas as ilhas dos Açores com o Prémio Excelência.

O concurso ‘Eco Freguesia, Freguesia Limpa’ pretende reconhecer e distinguir o esforço das autarquias locais em colaboração com as populações na limpeza, remoção e destino final dos resíduos abandonados em espaços públicos, incluindo as linhas de água e a orla costeira, bem como o desenvolvimento e participação em programas e acções de sensibilização e educação ambiental.

Este concurso tem uma vertente muito importante de acções de limpeza e de sensibilização ambiental, através do incentivo ao voluntariado que envolva a comunidade para limpar e manter a freguesia limpa, e que se concretiza na recolha de resíduos do espaço público envolvente e na realização de campanhas de sensibilização ambiental.

O programa Eco Freguesia existe desde 2010 envolvendo todas as ilhas dos Açores e distinguindo em cada ilha as freguesias cujo esforço de limpeza e de manutenção tenha obtido a pontuação mais elevada nos diversos critérios de avaliação, através dos Prémios de Excelência, instituídos pela primeira vez em 2014.

Desde o ano passado, o concurso ‘Eco Freguesia, Freguesia Limpa’ passou a integrar dois novos projectos, denominados ‘A Minha Ribeira’ e ‘Costa Limpa’, dirigidos para freguesias em cujos territórios existam linhas de água que importe monitorizar e assegurar a manutenção de condições de limpeza e de normal funcionamento.


Notícia: «Diário dos Açores», «Jornal da Tarde» da RTP Açores e o inestimável "serviço informativo" do GaCS [Gabinete de apoio à Comunicação Social, da Presidência do Governo Regional dos Açores].
Saudações florentinas!!

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Contra-análises não encontraram bactéria listéria no queijo da Cooperativa

O Governo Regional revelou que deram resultado negativo as contra-análises feitas aos queijos produzidos pela Cooperativa Ocidental, onde há cerca de um mês foi detetada a presença da bactéria listéria.

“Recebemos a confirmação por parte da Cooperativa Ocidental em relação às contra-análises feitas ao queijo e os resultados são negativos”, afirmou João Ponte, salientando que “o queijo está em condições normais e não há quaisquer restrições”.

O secretário regional da Agricultura sublinhou tratar-se de uma boa notícia, admitindo que a deteção da presença da bactéria listéria “criou alguma dúvida em relação à qualidade do queijo que era produzido pela Cooperativa Ocidental. Isto naturalmente pode colocar sempre receios nos mercados”, acrescentou João Ponte, frisando que a presença da bactéria resultou de “um incidente que foi ultrapassado” e que a Cooperativa “irá continuar com os critérios rigorosos de qualidade” na produção de queijo.

A 16 de Maio foi revelado ter sido detetada a presença da bactéria listéria num lote de 241 unidades de queijo produzido na Cooperativa Ocidental, que foram retirados do mercado mas 108 desses queijos já tinham sido vendidos.

Quando foi detetada a presença da bactéria listéria, a Direção Regional de Agricultura decidiu de imediato a suspensão da venda e recolha de todos os queijos que integravam o lote, bem como a implementação de procedimentos de higienização, com o objetivo de “eliminar potenciais focos” da bactéria listéria. Também foi determinada a recolha de amostras nos diversos processos de tecnologia alimentar, desde a receção da matéria-prima até à expedição do produto acabado, no sentido de “eliminar o possível foco de contaminação”.


Notícia: jornal «Açoriano Oriental» e rádio Atlântida.
Saudações florentinas!!

domingo, 11 de junho de 2017

Marcelo deu mergulho a fundo nas ilhas

Visita presidencial aos Açores: 6 dias, 7 ilhas, 12 concelhos e 18 voos; o Presidente da República passou pelo ponto mais ocidental da Europa.

Bastaram 15 minutos para Marcelo Rebelo de Sousa dar o primeiro mergulho nos Açores. Saiu de manhã do quarto com os calções de banho vestidos e a toalha branca do hotel ao ombro, desceu a rampa do Boqueirão e nadou nas águas da ilha das Flores, sob o olhar atento de um único segurança. Fê-lo pouco antes de partir no avião militar que o levou para ‘águas’ mais quentes — as da Base das Lajes na ilha Terceira onde passou a manhã do segundo dia de visita oficial à Região. Uma visita que, em si mesma, foi um mergulho na vida dos açorianos.

Nos dois primeiros dias nos Açores, Marcelo passou pelo Corvo, Flores e Terceira — três das sete ilhas que visitou em seis dias. De fora das nove, ficaram São Miguel e Santa Maria, às quais irá ainda em Outubro deste ano. E, desde o primeiro momento em que aterrou nos Açores, Marcelo teve a seu lado o presidente do Governo Regional, o socialista Vasco Cordeiro, que o convidou para visitar a Região. “Estes dois dias permitiram-me fazer um ponto de situação com o presidente do Governo Regional dos Açores, com uma convergência praticamente total de pontos de vista”, resume o Presidente da República ao «Expresso».

Foi “simbolicamente” pela ilha mais pequena de todo o arquipélago, o Corvo, que a visita arrancou. O avião militar aterrou às 15 horas na pequena ilha de 437 habitantes. E se quase tudo o que o Corvo tem se consegue ver a partir dos moinhos de vento, é também dali que se veem os poucos aviões a aterrar. “Aviões militares assim aqui só quando vem o Presidente da República ou o primeiro-ministro”, diz um dos cinco homens encostados num dos moinhos, ao sol, durante a pausa de almoço dos trabalhos nas obras de alargamento do porto. Deslocados de São Miguel para o Corvo para um contrato de seis meses, esperavam que o C295 da Força Aérea aterrasse na curta pista. Só que o tempo — embora seja o que de mais há na ilha — não lhes chegou. Ainda antes de o avião aterrar, as carrinhas de caixa aberta apareceram para os levarem de regresso à obra.

Foi em passo acelerado que, em três horas, Marcelo percorreu as ruas da vila do Corvo. Distribuiu abraços, tirou fotografias, fez perguntas, ouviu explicações, entrou numa mercearia, comentou a bandeira monárquica na janela da sede do PPM e entrou na Igreja de Nossa Senhora dos Milagres. Para comemorar o Dia da Criança, visitou a única escola da ilha onde estudam 53 alunos e ficou impressionado com a quantidade de pessoas que apareceram, “quase dois terços da população”, avançou. “No Corvo, encontrei a economia e a sociedade a mexerem, o que é muito importante.”

Foi também no Corvo que parou durante cerca de meia hora para um encontro a sós com Vasco Cordeiro. “Partilhei com o Presidente da República aquilo que podemos chamar uma breve fotografia da Região”, disse o presidente do Governo Regional aos jornalistas. Falou nos aspetos que o deixam “satisfeito” — como a diminuição do desemprego ou o crescimento económico — mas também os “desafios” que os Açores têm pela frente. O chefe do Governo açoriano referiu as dificuldades do sector agrícola, leiteiro e das pescas, assim como a necessidade de apostar na qualificação dos recursos humanos. E sem esquecer a reflexão que está a decorrer na Assembleia Legislativa Regional sobre o reforço da Autonomia da Região. O resumo de Vasco Cordeiro sobre os Açores, disse Marcelo, foi “sintético mas exaustivo”, algo que não conseguiria ter “se ficasse fechado em Belém”. Já sobre a Autonomia, prefere uma atitude de “grande prudência”, sem comentar o que está a ser discutido.

Se as aceleradas três horas no Corvo conseguiram reunir tantas iniciativas, a visita à ilha das Flores foi menos intensa. Marcelo foi ao miradouro do Portal, nas Lajes das Flores, o concelho mais ocidental da Europa, e jantou com os finalistas do ensino secundário. “Nas Flores, além da confirmação da beleza natural, encontrei jovens finalistas muito articulados, muito bem preparados e com ideias muito viradas para o futuro, sobretudo as mulheres, e uma parte deles a quererem voltar para a ilha das Flores”, resumiu Marcelo ao «Expresso».

E ao segundo dia de visita, depois do mergulho, voou para a ilha Terceira. Marcelo esteve num almoço com quase três mil idosos sentados em bancos corridos, onde foram servidas as tradicionais sopas de Espírito Santo. Logo no início, o Presidente prometeu que os cumprimentaria a todos e assim o fez. “O Presidente da República não é só o Presidente de todos, é o Presidente de cada um. Isso é diferente. É ser mais”, dissera antes no Corvo. Pela frente, Marcelo ainda teve vários voos e as ilhas do Pico, Graciosa, Faial e São Jorge. E margem para outros mergulhos.


Notícia: semanário «Expresso».
Saudações florentinas!!

sábado, 10 de junho de 2017

76º aniversário da RDP Antena 1 Açores

A rádio pública começou nos Açores há 76 anos, mais precisamente no dia 28 de Maio de 1941, com as emissões desde a cidade de Ponta Delgada na ilha de São Miguel.

Para comemorar a efeméride, os responsáveis da RDP Antena 1 Açores fizeram deslocar à ilha do Corvo uma equipa de técnicos e locutor para que a festa de aniversário chegasse a todo o Mundo desde a mais pequena ilha açoriana, quer através das ondas hertzianas, quer via Internet.

A Costa Ocidental teve todas as autorizações, bem como todo o apoio da equipa da RDP Açores, para que este trabalho fosse possível. Obrigado aos técnicos José Gamboa e Rui Pereira, bem como ao locutor José Andrade.

Obrigado a todos os participantes no programa, a todos os presentes no Largo do Outeiro, a todos os corvinos e a todos os que, de uma forma ou de outra, tornaram possíveis estas imagens. Obrigado especial à Luísa Silveira pelo imprescindível trabalho na recolha de imagens e ajuda na produção.


Vídeo: YouTube de José Agostinho Serpa.
Saudações florentinas!!

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Dificuldade na chegada de gado às Flores

Gado bovino espera há dois meses na Terceira para ser embarcado para as Flores. São seis animais de raça Limousine, adquiridos por lavradores florentinos empenhados no melhoramento genético das suas explorações.

Ainda sem fim à vista, os seis animais provenientes da ilha Terceira e com destino à ilha das Flores não têm ainda viagem marcada; estão na Terceira, onde aguardam. Os agricultores florentinos protestam, dado que há 60 dias que esperam por uma solução por parte da empresa Transinsular.

"Tentaram arranjar a nível regional algum contentor disponível e o que percebi tanto na Transinsular como na Boxlines e outra companhia não existia qualquer contentor que transportasse os nossos animais", afirmou Fábio Armas, agricultor da ilha das Flores. Ele e mais dois agricultores compraram este gado: seis animais puros da raça Limousine para melhoramento zootécnico nas suas explorações.

"O próximo navio, que é no final deste mês, [perguntei] se eventualmente e através de interligação com São Miguel, a Transinsular descarregava os animais em São Miguel, ficavam ali 3 ou 4 dias para só depois apanhar novamente o barco e então aí fazer-se São Miguel-Pico e Pico-Flores... se conseguiam garantir-me que havia um contentor disponível para esse barco? Então o senhor disse-me que ainda era muito cedo para me garantir a disponibilidade desse contentor. Ou seja, andamos aqui sem saber se realmente estes animais vão chegar ou não cá. Se nos conseguem arranjar uma data concreta para isso", disse desalentado Fábio Armas.

Sem fim à vista esta importação de gado vivo para as Flores. Dificuldades no transporte marítimo, numa altura em que as autoridades políticas lembram as vantagens do comércio interno.

O deputado florentino João Paulo Corvelo entregou um requerimento na Assembleia Regional como forma de obter esclarecimentos do Governo Regional sobre esta matéria.


Notícia: RDP Antena 1 Açores.
Saudações florentinas!!

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Jovem florentino vai ser ordenado padre

No dia 1 de Julho, Jacob Vasconcelos será ordenado padre na Igreja Matriz de Santa Cruz das Flores.

Com 23 anos, Jacob Vasconcelos foi ordenado diácono no passado dia 8 de Dezembro no Santuário de Nossa Senhora da Conceição. Finalista do sexto ano do Seminário de Angra, este jovem florentino vai ser ordenado sacerdote no próximo dia 1 de Julho na Igreja Matriz de Santa Cruz das Flores.

Oriundo da freguesia de Ponta Delgada, o diácono Jacob Vasconcelos é uma das referências entre os alunos do Seminário de Angra, não só pelo seu aproveitamento escolar mas também pelo carisma. Afável, sorridente e com uma energia inesgotável, quando se passa com ele na rua parece que conhece meio mundo e arredores. De uma enorme disponibilidade, Jacob está no Seminário há 8 anos, tendo chegado à Casa com 15 anos para frequentar o ensino de nível secundário, com a “certeza” de que queria ser padre. Desde pequeno que brinca como se já o fosse. Diz quem conhece o seu baú das recordações que até estolas em miniatura tinha no seu armário.

Jacob Vasconcelos é um dos jovens mais preparados para o sacerdócio sem deixar de ser um jovem comum, atento ao mundo e ao que gira à sua volta, generoso e sempre próximo. Ainda assim, o diácono afirma que gostaria de ver mais “respostas generosas e comprometidas” sobretudo dos jovens e afirma que o “ardor de evangelizar” é que lhe vai tirar o sono.

“Sou de personalidade inquieta e enérgica por natureza, pelo que julgo que, para além das preocupações do dia-a-dia, irá incomodar-me a necessidade de levar o Evangelho às pessoas, pela palavra, pelos sacramentos, pela minha atitude coerente de vida e por todos os meios possíveis e necessários que estiveram ao meu alcance”, frisou o jovem diácono florentino.

A ordenação de Jacob Vasconcelos será presidida pelo bispo João Lavrador, que assim mantém a tradição do seu predecessor de fazer as ordenações de forma descentralizada.


Notícia: "sítio" Igreja Açores.
Saudações florentinas!!

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Recolha de lixo porta-a-porta é melhor

A associação ambientalista Zero comparou o desempenho de três municípios na área dos resíduos e concluiu que a recolha seletiva porta a porta é mais eficaz e consegue mais reciclagem que a recolha nos ecopontos.

Com base na análise das quantidades de resíduos recolhidos através do sistema porta a porta nos municípios de Lajes das Flores, Lisboa e Maia e na comparação com as quantidades conseguidas com a recolha através de ecopontos, a Zero: Associação Sistema Terrestre Sustentável refere que a retoma de recicláveis (papel, cartão, plásticos, metais e vidro) é muito maior nas primeiras áreas.

Em Lisboa pela recolha porta a porta foram obtidos 65 quilogramas de resíduos por habitante e por ano, a mesma quantidade que na Maia, enquanto nas Lajes das Flores foi conseguido o valor mais elevado, atingindo 93 quilogramas. A média nacional de recolha através dos ecopontos é de 45 quilogramas por ano por habitante e nos Açores ronda 41 kgs.

"Os números são muito superiores no caso da recolha seletiva porta a porta", reforçou Paulo Lucas, chamando a atenção para as Lajes das Flores, um caso interessante pois na mesma ilha convivem dois municípios com dois tipos de recolha. "Conseguimos obter resultados diferentes com a recolha seletiva porta a porta e é a comprovação que precisávamos de que os ecopontos estão no limite da sua capacidade para obter a colaboração do cidadão e o porta a porta é o sistema que é mais eficaz", resumiu o ambientalista.

Por isso, a associação ambientalista Zero defende uma aposta no sistema porta a porta, principalmente nas áreas urbanas, por exemplo através de financiamentos do programa operacional para a área do ambiente, que ainda se centra muito nos ecopontos. Com o sistema porta a porta, "os cidadãos colaboram mais e responsabilizam-se mais e toda a gente fica a ganhar porque a quantidade de recicláveis que entram nos sistemas e são encaminhados para a reciclagem é muito maior", concluiu.


Notícia: jornal «Açoriano Oriental».
Saudações florentinas!!

terça-feira, 6 de junho de 2017

Município de Santa Cruz com qualidade excelente na água para consumo humano

Sete dos 19 concelhos açorianos foram premiados pela Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos dos Açores por terem água para consumo humano com qualidade "excelente" no ano passado.

Santa Cruz das Flores, São Roque do Pico, Nordeste, Ponta Delgada, Ribeira Grande, Angra do Heroísmo e Praia da Vitória receberam o "selo de qualidade" relativo à água da rede pública nos respetivos concelhos no ano de 2016, que apresentaram uma média acima dos 99%. Este foi o segundo ano em que a ERSARA atribuiu este galardão, contribuindo para reforçar a confiança na qualidade da água por parte dos consumidores.

O administrador da empresa reguladora da qualidade da água nos Açores destacou o papel de todas as entidades gestoras das redes públicas de água na Região, que considera ter sido fundamental para aumentar a qualidade da água em todo o arquipélago. Hugo Pacheco acrescentou que, no futuro, com a elaboração de planos de segurança da água será possível prever eventuais contaminações microbiológicas na rede pública.

Os resultados das mais de 22 mil análises efetuadas à rede pública de água na Região revelam que a qualidade da água "é boa em todas as ilhas dos Açores", embora nem todos os concelhos tenham alcançado um patamar de excelência. O presidente da ERSARA afirmou que, pelo facto de sete concelhos terem sido premiados, não significa que os restantes não tenham uma "boa" qualidade de água.


Notícia: «Açoriano Oriental», RTP Açores e «Correio dos Açores».
Saudações florentinas!!

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Como surgiu o feriado do Dia da Região

A criação do Dia dos Açores, feriado regional que se comemora na Segunda-feira do Espírito Santo, foi aprovada pela Assembleia Legislativa Regional em Junho de 1980 mas sem consenso quanto à data.

Segundo o Diário das Sessões da Assembleia Regional, na reunião plenária realizada em 26 de Junho de 1980 o grupo parlamentar do PS (então minoritário) apresentou um projeto de decreto regional para criar o Dia da Autonomia dos Açores, tendo a mesa da Assembleia recebido uma proposta de substituição dos social-democratas.

A proposta socialista defendia o feriado regional a 2 de Março, justificando que naquele dia em 1895 foi promulgado o Decreto que instituiu a autonomia administrativa dos Açores, enquanto a proposta do PSD preconizava a Segunda-feira do Espírito Santo, culto que remonta ao povoamento dos Açores.

No debate, o deputado socialista Daniel de Sá sustentou que a instituir-se um feriado regional "essa iniciativa só pode basear-se no caráter da Região Autónoma que é reconhecido aos Açores e só deve ser, portanto, uma homenagem à Autonomia. Assim, a solução mais lógica será a de se conceder ao dia 2 de Março a qualidade de feriado regional", acrescentou o parlamentar.

Na resposta, o deputado Manuel Melo (do PSD) retorquiu que "essa data hoje pouco diz ao nosso povo, há que encontrar uma outra que congregue o povo dos Açores, de Santa Maria ao Corvo, e que desde os primeiros anos do povoamento destas ilhas tenha para todos um significado especial. Essa data é a Segunda-feira do Espírito Santo", concluiu.

Na única declaração de voto, que se seguiu à aprovação da proposta do PSD, o deputado José Manuel Bettencourt (PS) afirmou que "o Espírito Santo é nos Açores e tem nos Açores profundas raízes. Mas, que eu saiba, o Espírito Santo não fez absolutamente nada para a concretização e para a conquista da Autonomia".


Notícia: jornal «Açoriano Oriental».
Saudações florentinas!!

domingo, 4 de junho de 2017

Azores Fringe 2017 na ilha das Flores

De 26 de Maio a 30 de Junho, o festival internacional Azores Fringe reúne este ano 300 artistas nas nove ilhas açorianas.

O calendário da quinta edição do festival Azores Fringe integra o Encontro & Expedição Fotográfica na ilha das Flores, com um grupo de 14 artistas prontos a explorar o ponto mais ocidental da Europa entre dia 9 e 12 de Junho com diversas actividades.

Na noite da próxima sexta-feira (dia 9), a população florentina é convidada a ir até ao porto das Lajes para assistir ao Festiva Lente, um projeto artístico em veleiros a navegar por portos de todo o Mundo, que chega à ilha das Flores com artes de circo, música e dança de cabaret para toda a família.

Incluído ainda na programação do festival Azores Fringe 2017 na ilha das Flores, a associação Reinventar Ilhas apresenta o concerto de Carlos Kabeção no próximo sábado (dia 10) pelas 21 horas no Valzinho, na freguesia da Fazenda. A entrada será gratuita e o concerto será ao ar livre se o tempo assim o permitir. A associação Reinventar Ilhas convida toda a população da ilha das Flores e recomenda que cada espectador traga uma almofada e manta para o seu conforto.


Notícia: «Açoriano Oriental» e «Diário Insular».
Saudações florentinas!!

sábado, 3 de junho de 2017

Está a decorrer novo censo de garajaus

Até 23 de Junho, as zonas costeiras e rochosas das ilhas açorianas voltam a ser percorridas no âmbito de um censo de garajaus.

O arquipélago dos Açores, região da Europa onde nidificam metade dos garajaus, realiza desde 1989 o censo desta ave protegida. No censo de 2016 estimaram-se cerca de 538 casais reprodutores de garajau-rosado em 23 colónias e 2.442 casais de garajau-comum distribuídos por 105 colónias por todo o arquipélago.

A contagem deste censo visa quantificar as populações das duas principais espécies de garajaus que nidificam nos Açores, o garajau-comum (sterna hirundo) e o garajau-rosado (sterna dougali), apelando-se às populações, em especial aos utilizadores das zonas costeiras, para evitarem perturbar os garajaus durante a época de acasalamento e reprodução, junto a falésias, arribas e ilhéus, onde habitualmente esta espécie protegida nidifica.

A contagem de ninhos e de posturas é realizada pelos técnicos dos Parques Naturais de Ilha e da Direção Regional dos Assuntos do Mar. No caso de colónias mais inacessíveis, em particular nos ilhéus costeiros, refúgio para aves marinhas, a contagem é feita pelo mar, com recurso a binóculos e telescópio. Para a realização deste censo estão também previstas viagens de barco à volta de todas as ilhas que permitem estimar o número de adultos, espoletando uma buzina que os faz levantar voo.

Há um esforço cada vez maior na contagem da população de garajaus nos Açores. O garajau-rosado é considerada uma das 30 espécies protegidas mais raras da Europa, sendo que a Região detém uma das colónias mais importantes da Europa. No arquipélago, as principais colónias de garajau-rosado (cerca de 80%) concentram-se em três ilhas: Graciosa, Flores e Santa Maria.


Notícia: «Açoriano Oriental» e «Diário Insular».
Saudações florentinas!!

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Apresentação da festa Cais das Poças

Este ano a festa municipal Cais das Poças irá decorrer junto ao Campo de Futebol Municipal, de 4 a 6 de Agosto.

O programa da festa municipal Cais das Poças 2017 foi apresentado na passada sexta-feira (26 de Maio) no Museu e Auditório Municipal de Santa Cruz das Flores, sendo a maior novidade o regresso às imediações do Campo de Futebol Municipal como espaço onde irão decorrer as festividades.

Xutos e Pontapés, DJ Kaylova, Brumas da Terra e Os Académicos são alguns dos destaques musicais desta edição do Cais das Poças, aos quais se junta a Escola de Música da Câmara Municipal, os dj’s Tigue, Snakar e New House e as bandas locais K7 Pirata, Full ‘K’ Ords, Show Flores e StereoMixer.

O Cais das Poças 2017 representa um investimento de cerca de 80 mil euros por parte da Câmara Municipal de Santa Cruz.

Como não poderia deixar de faltar, a Marcha infantojuvenil do Cais das Poças, o concurso de pesca desportiva embarcada e o caldo de peixe serão também pontos altos das festividades.

As raízes e a tradição assumem também protagonismo através do cortejo Vivências e Tradições, num programa que reserva muitos outros motivos de atração para munícipes e visitantes.


Notícia: "sítio" da Câmara Municipal de Santa Cruz das Flores.
Saudações florentinas!!

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Transporte de mercadorias para o Corvo

Entrou hoje em vigor o novo contrato de prestação do serviço de transporte marítimo regular de mercadorias entre as ilhas das Flores e do Corvo.

A 24 de Fevereiro foi adjudicado à Empresa de Barcos do Pico, de Simas & Simas Limitada, o transporte marítimo regular de mercadorias entre as ilhas das Flores e do Corvo, por um período de três anos, com a possibilidade de prorrogação por mais um ano, pelo montante de um milhão de euros.

O contrato para o transporte marítimo referido prevê a prestação de duas ligações semanais de ida e volta entre as duas ilhas do grupo ocidental durante todo o ano. O novo contrato contempla a realização de viagens extraordinárias sempre que ocorram situações que exijam o reforço de transporte de bens essenciais à ilha do Corvo, nomeadamente produtos alimentares e de higiene, rações, gás e combustíveis.

Com o transporte de mercadorias a efetuar pela embarcação Lusitânia "será garantida a continuidade de um serviço que traduz a preocupação e a concretização dos objetivos do Governo Regional em assegurar a qualidade do serviço que é prestado à população corvina", refere uma nota governativa.

O transporte marítimo para a mais pequena ilha do arquipélago não se realiza em algumas ocasiões devido às condições meteorológicas, o que já originou, no passado, escassez de bens.


Notícia: «Açoriano Oriental», «Diário de Notícias» e o inestimável "serviço informativo" do GaCS [Gabinete de apoio à Comunicação Social, da Presidência do Governo Regional dos Açores].
Saudações florentinas!!

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Em apenas 6 dias Marcelo visitará 7 ilhas

O Presidente da República inicia amanhã (quinta-feira) uma visita à Região Autónoma dos Açores. Durante seis dias, Marcelo passará por todos os concelhos de sete das nove ilhas do arquipélago.

Entre 1 e 6 de Junho, Marcelo Rebelo de Sousa vai visitar as ilhas do Corvo, Flores, Terceira, Pico, Graciosa, Faial e São Jorge, e os seus doze concelhos - mas evitando cerimónias formais nos municípios, por causa das eleições autárquicas deste ano.

Esta visita do Presidente da República aos Açores foi marcada propositadamente para que Marcelo Rebelo de Sousa estivesse presente na sessão solene do Dia da Região, a 5 de Junho (próxima segunda-feira), na Assembleia Legislativa Regional.

De fora desta visita ficam as ilhas do grupo oriental, São Miguel e Santa Maria, que o Presidente da República deverá visitar mais tarde.


Notícia: «Açoriano Oriental», «Diário Insular» e TVI 24.
Saudações florentinas!!

terça-feira, 30 de maio de 2017

Bombeiros em condições muito precárias

Sindicato Nacional dos Bombeiros Profissionais alertou para a falta de equipamentos na corporação de Santa Cruz das Flores e acusa de má vontade a Direção da Associação Humanitária.

O Sindicato já fez saber que vai recorrer a instâncias judiciais. Entre várias situações declaradas graves, que ameaçam o serviço de socorro às populações, são também denunciadas a falta de fardamento e equipamentos de proteção.

O Sindicato Nacional dos Bombeiros Profissionais acusa a Direção dos Bombeiros de Santa Cruz das Flores de adiar a solução dos vários problemas, justificando-se com a falta de recursos da tutela.


Notícia: «TeleJornal» da RTP Açores.
Saudações florentinas!!

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Campanha Açores Entre-Mares 2017

Entre o Dia europeu do Mar (20 de Maio) e o Dia mundial dos Oceanos (8 de Junho) decorre a oitava edição da campanha Açores Entre-Mares.

Durante vinte dias está previsto que aconteçam dezenas de actividades em todas as ilhas do arquipélago, tendo como elo comum a promoção do conhecimento e a utilização sustentável do mar dos Açores. Por enquanto apenas constam no programa público algumas actividades nas ilhas do Corvo, Santa Maria, Terceira e Faial.

Este ano e na sua oitava edição, a campanha Açores Entre-Mares tem como corolário a promoção da educação e sensibilização para o mar através da arte. Durante a campanha "Inspira-te no mar dos Açores" serão dinamizadas actividades de expressão artística incluídas no Kit do Mar, um recurso didático desenvolvido pela Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental e pelo MARE.

No dia 11 de Junho será promovida a iniciativa "Lixo Zero no mar dos Açores: limpeza regional de zonas costeiras", enquadrada na Atlantic Clean Up - Limpeza Atlântica 2017, uma campanha de limpeza das zonas costeiras em simultâneo nas regiões e países da bacia atlântica.

Saudações florentinas!!