sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Escola Profissional [de São Jorge] fechou [o seu Pólo na ilha das Flores] por falta de colaboração da Câmara [Municipal de Santa Cruz]

No passado dia 20 de Julho, o Dr. Victor Bernardes, director da Escola Profissional de São Jorge, entregou [em mão] a chave das instalações provisórias [do Pólo daquela Escola na nossa ilha] ao vice-presidente José Carlos Mendes, em representação do presidente da Câmara Municipal de Santa Cruz das Flores.
O Dr. Victor Bernardes disse-nos [ao jornal «As Flores»] que quis fazer a entrega da chave “propositadamente [de forma] pessoal” e por isso “não a mandou por outra via”.
Declarou-nos que o Pólo [da Escola Profissional de São Jorge] que aqui funcionava fechou devido “à inexistência de infraestruturas [na ilha das Flores]” para o seu funcionamento.

Explicou-nos que “a tutela [do Governo Regional] propunha que todas as ilhas tivessem uma Escola Profissional e nas Flores (ilha mais pequena) um Pólo”, que “as negociações” começaram em Janeiro de 2004 e “o presidente da Câmara Municipal das Lajes das Flores [João Lourenço] mostrou algum interesse e o presidente da Câmara de Santa Cruz [Manuel Pereira] também”, mas que “ao vir a Santa Cruz [os membros da Direcção da Escola Profissional de São Jorge] acharam que [este concelho] reunia mais condições [do que as Lajes]” e que “em conversa com o senhor presidente da Câmara [Municipal de Santa Cruz] disseram que o edifício [onde instalar o Pólo] era o [critério] principal; e [este] foi [então] cedido”.
O edifício em causa era a antiga Escola infantil da Estação Francesa de Medidas, junto ao actual Hotel Servi-Flor.

Segundo nos revelou o director [Victor Bernardes] “o objectivo [do Pólo] da Escola [na ilha das Flores] era ter duas turmas no primeiro ano [de funcionamento], mais duas turmas no segundo [ano], mais duas [turmas] no terceiro [ano], até seis [turmas no total] e depois duas [turmas] a sair e duas [turmas] a entrar por ano”, o que “com as instalações cedidas [até agora pela Câmara Municipal de Santa Cruz] não era possível”, sendo [aprazado apenas] para um ano o funcionamento ali, como acabou acontecendo no ano lectivo 2004/2005.

“Em Janeiro de 2005, na fase de preparação para o [ano lectivo] 2005/2006, prometeram [novas] instalações para Setembro; como não havia [novas] instalações em Setembro, continuou [o Pólo na ilha das Flores da Escola Profissional de São Jorge] com os [alunos] que tinha [no ano anterior] e não abriram [vagas] a novos [alunos]”, declarou-nos Victor Bernardes, que também disse que “houve outra má vontade: o anterior Conselho Executivo da Escola facilitou a alimentação, em Agosto (ao mesmo valor dos seus alunos), mas em Setembro, na abertura [do novo ano lectivo], passaram a exigir um preço superior, igual ao da Função Pública” pelo que os alunos do Pólo [da Escola Profissional] “passaram a trazer a comida de casa e sentiam-se discriminados, quando até tinham sido alunos da Escola [Básica e Secundária das Flores]. Foi muito ingrato, mas não é o ponto principal, mas sim a falta de resposta por parte do Município [de Santa Cruz]. A ajuda para os transportes, no primeiro ano lectivo, funcionou bem. Nunca mais a Associação de Municípios [da ilha das Flores] sequer deu resposta aos nossos faxes, cobrando mesmo valores exorbitantes. Não concordámos, mas pagámos por respeito”.

Sempre segundo o director [da Escola Profissional de São Jorge], “soubemos que não éramos bem-vindos, quando vínhamos [abrir um Pólo na ilha das Flores] numa de entreajuda e não para ganhar dinheiro [com isso]. [A ilha de] Santa Maria tem um Pólo da [Escola Profissional] de São Miguel, mas ninguém se mostrou interessado no [nosso Pólo] das Flores. A Câmara Municipal [de Santa Cruz] foi contactada oficialmente sobre várias matérias, designadamente de apoio, mas nunca houve resposta; pura e simplesmente ignoraram-nos”. E mais “a Câmara [Municipal de Santa Cruz] tem cópia dos nossos Estatutos para demonstrar como poderiam fazer (uma Escola Profissional [própria]); se quisessem fazer – como não queríamos [cá] ficar – poderiam ter a lealdade de nos dizer. É com mágoa que vamos embora sem [os nossos] objectivos concretizados; e o que estamos é a levar alguns jovens [florentinos] para [estudar em] São Jorge”.

O Dr. Victor Bernardes colocado perante a pergunta se “É correcto dizer-se que o Pólo [da ilha das Flores] fecha por falta de colaboração da Câmara Municipal [de Santa Cruz]?”, a resposta foi “completamente” e acrescentando “[houve] falta de lealdade do senhor presidente [Manuel Pereira] e já não da Câmara Municipal [de Santa Cruz] que tem outros vereadores. As declarações à televisão faziam supor que as instalações do Pólo [na ilha das Flores] iriam avançar”.

Esclareceu-nos ainda [Victor Bernardes] que, por parte da Escola Profissional [de São Jorge], “havia planos para continuar [na ilha das Flores], nomeadamente trazendo carrinhas, mas sem apoio das entidades locais [isso] é impensável. Se fosse para dar lucro tinham vindo outros”, dizendo ainda “vamos [embora] e depois se quiserem continuam [por vós mesmos]; a SiturFlor seria um bom local [para as instalações da Escola Profissional]”.

Perguntámos depois sobre a sede da Escola Profissional de São Jorge e esclareceu-nos [o seu director Victor Bernardes] que “tem 12 cursos, cerca de 220 alunos, 30 a 35% dos quais de fora da ilha, cerca de 50% dos alunos pernoitam nas Velas e ali almoçam e jantam. A Escola Profissional de São Jorge é para a vila das Velas o que a Universidade dos Açores é para Ponta Delgada. A Escola tem 30 professores internos (a tempo inteiro), mais 10/12 professores externos (a tempo parcial) e cerca de 20 funcionários” contribuindo assim para uma “grande dinâmica económica” e “para o não abandono e aumento de escolaridade da população”.

Para completar a ideia do que a ilha das Flores pode ter perdido com o encerramento do Pólo da Escola Profissional, disse-nos Victor Bernardes que “ao sistema de incentivos da Secretaria Regional da Economia, nomeadamente ao «Empreender Jovem», só pode concorrer quem tenha cursos profissionais nível 3 ou 4, ou licenciados” e que, ao contrário, “aqueles que tenham o 12º ano da Escola oficial não podem”. Repisou que “quem não seguir a vida académica [da Escola oficial] tem [com o ensino profissional a hipótese de obter] uma carteira profissional e pode concorrer aos sistemas de incentivos” e que alguns podem até “concorrer ao «Estagiar T»”.

No decorrer das suas declarações, ao nosso Jornal, o Dr. Victor Bernardes, na sua qualidade de director da Escola Profissional de São Jorge, “felicitou os formandos, os professores e os funcionários [do Pólo na ilha das Flores], porque aguentaram com coragem até ao fim, naquelas instalações [provisórias]”, o que era sacrifício só para um ano, mas que durou três.

Esta notícia é parte integrante do jornal «As Flores», edição de 23 de Agosto de 2007.
Saudações florentinas!!

62 comentários:

Anónimo disse...

É o costume! Os outros andam pra frente, nas Flores, anda-se para traz. Parabéns à Câmara de Sta Cruz, por tirar oportunidades aos jovens locais!

Anónimo disse...

Acho que a Câmara de Santa Cruz esteve bem em acabar com este acordo com a escola de São Jorge, porque eles queriam mamar tudo de borla e nada investir para benefeciar os alunos.
Penso também que agora está na altura de criar a Escola Profissional de Santa Cruz das Flores.

Anónimo disse...

santa cruz tinha mais condições
para os mandar embora

Anónimo disse...

Acabar com o acordo? Eles nem se manifestaram! É uma excelente forma de fazer valer a palavra: fugir com o rabo à seringa. Mais digo! Uma Câmara Municipal que não se manifesta no interesse dos seus munícipes, revela desinteresse e falta de estofo político-social.

Anónimo disse...

Da forma como as coisas estão vai ser necessário criar cursos para apanhar inhames.

Anónimo disse...

isto mostra o bom presidente que voces elegeram. desta vez não é o jl.

Anónimo disse...

Tens toda a razão! Sou de Santa Cruz, mas tenho a certeza que com o JL as coisas tocavam de forma diferente. Sabem porquê? Porque ele é da Terra. E ninguém se mete com quem é da Terra. O Presidente de SC, como não é da Terra, tá-se a marimbar se os locais tem formação ou não. O filhinho dele tem, tá visto, e o resto não interessa a ninguém.

Mabel López Abasto disse...

Está muy bueno tu blog. Te seguiré visitando. Cariños desde Argentina.

Anónimo disse...

Realmente vocês têm um presidente que não é da terra.Mas quando escolhem os candidatos a presidente da câmara só me dá vontade de rir....

Anónimo disse...

lajense segundo, temos tido sempre sorte em ter presidentes sempre da terra e do conselho e se quiserem trabalhar já sabem quais são os problemas que o conselho tem o que facelita muito a tarefa.

Anónimo disse...

Candidate-te tu, a ver se há por aí alguém que dê umas gargalhadas. O pessoal gosta de se rir.

Anónimo disse...

então queres dizer que o pessoal já riu bastante à tua custa deves ser o palhaço da aldeia.

Anónimo disse...

Não me vou candidatar pois já tenho um bom tacho....

Anónimo disse...

� pena n�o aproveitarem este espa�o
para debaterem coisas importantes
darem a sua opini�o de cada noti�ia
qeu sai no forum e n�o sempre revalidades e falar do tarouco do presidente seria importante penso
qeu as lajens mais s. cruz unidas
tinhamos uma ilha mais forte agora
escrevi com letra minuscula parabens ao forum qeu da o espa�o
qeu n�o aproveitamos

Anónimo disse...

O último a entrar aqui nem escrever sabe.Dava um bom Presidente, quer nas Lages ou em Sta Cruz.

Anónimo disse...

Pelo menos diz coisas justas.Faz diferença.
Oxalá houvesse mais como ele do que como tu.

Anónimo disse...

também estou de acordo, oxalá que ouve-se mais como ele.

Anónimo disse...

não entreça que tenha erros entreça sim é que diga alguma coisa de útil, e foi o que ele disse, agora quem creticou mosta que nada sabe fazer senão falar mal e não reconheçe de certeza as suas asneiras.

Anónimo disse...

obrigada

Anónimo disse...

Este pessoal nem português sabe.Também com professores de meia tigela...

Anónimo disse...

Formação profissional nas Flores?Queremos alguém para trabalhar e toda a gente pensa que já é doutor...
Essa rapaziada gosta é de "boer" umas boas cervejolas...

Anónimo disse...

sim umas cervejolas e um bom emprego e bom ordenado e nada de trabalho o que está a fazer falta é o comunismo da russia que eles com o décimo segunda ano andavam a limpar valetas e a cavar terra e não refilavam que seria pior para ele.

Anónimo disse...

andei no colejio em 1987 tinha não sei bem 8 ou 9 materias e so tinha 3 livros emprestado para tudo
na hora da comida fujia dos colegas com vergonha de não ter comida faltava muita vez não tinha roupa mas passei sempre começei a trabalhar com 15 anos
tu vens te gabar qeu eu tenho erros não avia telm para tar sempre
a escrever

Anónimo disse...

Parabéns se passaste sempre.Mas deviam era fuzilar os professores que te passaram.

Paulo Henriques disse...

Eh pá! qual é a necessidade de se estarem sempre a atacar? Lá porque a pessoa dá erros de ortografia, não quer dizer que não tenha direito a escrever aqui! Crescam!!!

Anónimo disse...

Eu vou dar uma sugestão para o Sr.Presidente: criar os seguintes cursos profissionais (até podem ser ministrados no hotel dos franceses..):
-Apanha de Lapas;
-Colheita de Inhames;
-Caça ao Coelho (aqui pode ser no hotel do toste):
De certeza com a escassez destes produtos as saídas profissionais estão garantidas.
À consideração de Suas Excelências...

Anónimo disse...

Nas Flores por acaso há professores de Português?
Resposta mesma via...

Anónimo disse...

não vou perder mais tempo com malta qeu so pensa em fuzilar
è a vosa maneira de pensar
um é inhames outro é fuzilar grande
cultura é o futuro

Anónimo disse...

Eu é que estou a perder tempo com estes ignorantes, pois nem escrever português sabem...
A apanha de lapas e de inhames são cursos muito úteis para estes bimbos...
Vão trabalhar já que não querem estudar...

Anónimo disse...

não ligues à egnorancia, porque este menino que fala em fuzilar os professor que te deu aulas precisava era passar o que passaste na tua vida para dar o valor o que é sofrer, amigo não sei quem és mas escreve sempre com erros ou sem erros és sempre bem vindo, eu tambem nunca estudei e aos 13 anos já trabalhava de pá e picareta por no tempo em que criei ñão havia dinheiro para se pagar os estudes por isso começava-se a trabalhar muito novos.

Anónimo disse...

Se querem aprender português certamente não vai ser nas Flores.
Aí os professores é que devem ir para as valetas com pá e sacho...

Anónimo disse...

obrigado ele nem teve dinheiro para comprar o computador qeu escreve foi o pai o meu foi com o meu trabalho

Anónimo disse...

Palhaços! Já dizia o outro: "falam, falam, falam e no fim, ninguém os vê a fazer nada".

Anónimo disse...

Sou palhaço, mas sei escrever português....
Vocês no lugar de aprenderem andam a empinar cervejas e vodka...
VÃO TRABALHAR OU ESTUDAR SEUS MALANDROS....

Anónimo disse...

sabes cá nada escreveres Portugues,metes o pé na argola como os outros e, além de palhaço és tolo gabarola e eu se fosse tu metia-me em casa e só saia no primeiro do ano. e mais eu não bebo nem cerveja nem vodka e quando bebo um copo de vinho é num jantar e mais te digo até já deichei de fumar à mais de dois anos.

Anónimo disse...

bebes vinho a custa dos outros

Anónimo disse...

não à minha custa.

Anónimo disse...

Eu aviso os participantes deste blogue que não sabem escrever português para irem para a escola e não darem mais pontapés na gramática e na língua portuguesa, sob pena de serem notificados pela Alta Autoridade para a Lingua Portuguesa.
Andam a "boer" vinho e depois é esta lástima....

Anónimo disse...

tu não bebes vinho, mas bebes muita toliçe nesta cabeça.

Anónimo disse...

Ó parvo: não se escreve "toliçe" mas sim tolice.
Continuas a "boer" vinho e a empinar cervejas...
Não há remédio.É caso para internamento compulsivo...

Anónimo disse...

ó burro eu já tenho a certeza que não bebes cerveja nem vinho mas abusas na aguardente e no J´B por isso andas sempre tolo desta cabeça qualquer dia está na casa amarela se não tomares juízo este é um bom concelho de um amigo.

Anónimo disse...

Vai mas é dar água ao gado, que já é tarde....

Anónimo disse...

Ainda não voltaste do gado?Estás no café do José a empinar uma "fresquinha"...
Eu logo vi...

Anónimo disse...

Continuas a boer?

Anónimo disse...

Á hora que esceves o último tema vi logo que já tinhas essa cabeça cheia de aguardente e J/B.

Anónimo disse...

Aquela hora eu trabalho e não ando a ressonar como o bucho cheio de vinho, cervejas e frango frito...

Anónimo disse...

Não sei qual de vocês os dois é mais malandro.

Anónimo disse...

Pergunta à tua mulher...

Anónimo disse...

onde é que costumas comprar esse frango frito pois eu desconheço a casa.

Anónimo disse...

Tu bem conheces, passas lá o tempo todo a dizer mal dos outros e a encher o pandulho de vinho e cerveja...

Anónimo disse...

eu nunca digo mal de ninguem ou pensas que sou como tu.

Anónimo disse...

Pois, pois...eu não nasci ontem....
Começas a dizer mal após a quinta ou sexta "fresquinha"...
Paciência, não há que fazer...

Anónimo disse...

outra vez ás oito e vinte com essa cabeça já cheia de JB coitado quem te sofre pelo que vejo és uma autentica chaga.

Anónimo disse...

Pensavas que escapavas?
Estou de olho em ti...

Anónimo disse...

eu tambem estou de olho em ti ando a ver quantas vezes encosta a barriga ao balcão no dia.

Anónimo disse...

Eu enconsto a barriga, mas não é no balcão...

Anónimo disse...

então bebes é sentado na mesa, é mais seguro.

Anónimo disse...

Tu percebeste!Ou estás a passar por tolo?

Anónimo disse...

tens essa vantagem estares sentado mas cuidado ao te levantares que o JB ponte no chão.

Anónimo disse...

Vai lá fora ver se está chovendo...

Anónimo disse...

por acaso agora não chove vê lá se daqui a bocado começa a chover e te alagas por dentro e por fora toma juízo.

Anónimo disse...

Vou comprar um guarda-chuva.Obrigado pelo conselho.