terça-feira, 11 de junho de 2013

Fábrica do Boqueirão abre brevemente

O secretário regional da Educação, Cultura e Ciência revelou [no passado dia 21 de Maio] que a Fábrica da baleia do Boqueirão vai ser aberta ao público em breve, após a realização de obras de restauro [adjudicadas em 2009], estando em fase de conclusão o seu programa museológico.

“Esta fábrica vai marcar o ponto mais ocidental da História baleeira nos Açores”, frisou Luiz Fagundes Duarte, considerando a iniciativa “interessante”, uma vez que permitirá perceber, ao nível da Região, o percurso da indústria baleeira e a sua importância para a economia dos Açores.

A Fábrica do Boqueirão faz parte do Museu das Flores e integra um pólo histórico, "onde se conta a história da ilha, com objectos que foram recuperados”, e um pólo mais moderno, onde se apresenta “a história recente do que era a indústria baleeira, que teve um certo peso na economia da ilha das Flores”.

Luiz Fagundes Duarte destacou ainda o facto de este Museu guardar, à semelhança de outros nos Açores, “as memórias da ilha”, recordando que “as Flores eram uma das portas de entrada da Região. Era a primeira paragem que tinham antes de chegar ao continente europeu. Esse facto, essa realidade histórica e geográfica, deixou marcas na cultura da ilha e na identidade dos florentinos”, sublinhou.

Para o secretário regional, o Museu das Flores “é a ilha no seu conjunto”, sendo que este espaço museológico possui dois núcleos que servem de Centros de Interpretação, ou seja, não são apenas “um reservatório de objectos, mas de um conjunto de objetos que apontam para uma realidade, que é a ilha”.

Paralelamente foi inaugurada no Museu das Flores uma exposição de fotografia que “vem abrir a porta e chamar a atenção para um aspecto muito importante da história da ilha das Flores, que é a indústria baleeira”. A exposição é composta por 24 fotografias da autoria de António Lopes e estará patente ao público até finais do Verão.


Notícia: «Diário dos Açores», jornal «Açores 9» e o inestimável "serviço informativo" do GaCS [Gabinete de apoio à Comunicação Social, da Presidência do Governo Regional dos Açores].
Saudações florentinas!!

6 comentários:

Anónimo disse...

Pergunto eu, que sou nabo nestas coisas: e para que é que se gastou uma fortuna num museu das Lajes?
A Drª Berta, hoje uma insignificante secretária de estado dum governo muito poupadinho, estarraçou também uma fortuna num projeto de museu feito no estrangeiro.

Foi por estas e por outras, que a nação ficou assim!

Anónimo disse...

Pergunta que fica no ar. Para quando o Governo decide mudar a Capitania para as Lajes , já que ela em Santa Cruz não se justifica.

Periquito Faial disse...

Até que enfim!

Anónimo disse...

Quantas pessoas vivem nos vilarejos das Lajes e de Santa Cruz?
Quantas almas vivem na ilha das Flores?
Quantas criaturas racionais de Deus irão viver nas Flores daqui a 20 anos?
Briguem, briguem, seus cebolões!

Anónimo disse...

Não precisa muitos mais vale poucos e bons e quem ama a sua ilha.

Anónimo disse...

meu avô é que dizia bem, poucos mas bons.