sexta-feira, 16 de julho de 2010

Corte no rating para Açores e Madeira

No seguimento do "downgrade" do risco do crédito de Portugal em dois níveis, a agência de notação financeira Moddy’s decidiu cortar também o ‘rating' dos municípios de Lisboa, Sintra e Cascais, e dos arquipélagos dos Açores e da Madeira em três níveis.

O ‘rating' é uma opinião sobre a capacidade e vontade de uma entidade vir a cumprir (de forma atempada e na íntegra) determinadas responsabilidades.

No caso dos municípios de Cascais e Sintra, o ‘rating' da dívida passou de uma notação de "Aa2" para "A1", e no caso de Lisboa, Açores e Madeira, a nova classificação do crédito passou a ser de "A2" face ao "Aa3" que tinham anteriormente. No entanto, ao contrário da avaliação da Moody's para Portugal, que contou com um "outlook" estável, no caso destas Regiões Autónomas, a agência de notação financeira norte-americana apresenta um ‘outlook' negativo.


Notícia: «Jornal Diário».
Saliente-se que (no passado mês de Abril) a Moody's havia já cortado no ‘rating' do BANIF (e outros bancos portugueses) e que também ontem cortou no ‘rating' da EDA e da Eléctrica Madeirense.

Saudações florentinas!!

5 comentários:

DR.PARDAL disse...

Lembro-me bem que há um ano por esta altura o nosso saudoso amigo FDM malhava forte e feio nos inúmeros mamões que desde o Minho ao Algarve, de Santa Maria ao Corvo, ou da Madeira às Selvagens (!) estavam amoitados nos estábulos do orçamento, empresas públicas, institutos,etc, etc.

Também me lembro que ele foi dos primeiros a afirmar que «Portugal em breve ia dar o berro», pois a espiral de endividamento era tremenda e a nossa economia não dava para «tapar a cova dum dente», para além da expansão da corrupção em para níveis assustadores da corrupção, nepotismo e gestão danosa.

Muita gente ficou escandalizada e chamaram-lhe todos os nomes.

Hoje a verdade nua e crua está aí.

Portugal está na corda bamba.

Não me admira nada que o 13º venha a ser cativo ou que haja redução de vencimentos ou das reformas.

Cada vez trabalha-se menos, pois não vale a pena, quando a politica fiscal e social vigente rapa tudo o que se ganha e produz.

Isto está bom para os politicos que não fazem puto; para muitos funcionários públicos que passam o dia a olhar «prá morte da bezerra» e para os chicos-espertos que vão traficando ali e acolá e por essa via vão acumulando muitas «mais-valias não declaradas».

Por outro lado continuamos a assistir por parte dos governos, das câmaras e doutras entidades públicas a gastar a torto e a direito, e a deixar dívidas e dívidas para as gerações seguintes.

Nunca tanto dinheiro entrou nesta Região e cada vez mais estamos mais pobres, periféricos, acomodados e resignados.

A continuar assim dentro de cinco ou seis anos os Açores estarão completamente falidos.

Quem quiser fazer contas posso oferecer uma calculadora.

E quem vier atrás que feche a porta, s.f.f....

jota disse...

Oa Açores espelham na perfeição aquilo que é a economia do país.
Os navios chegam carregados com
muito,e regressam carregados de
(quase)nada!...

Anónimo disse...

pois...pois...nas flores estes malandros querem é emprego numa ilha que bastante produziu. mas eles vãose meter ao trabalho senão vão passar fome de cão que até se vai conseguir contar os ossos.

jota disse...

Para resolver rápidamentea a questão da crise,o governo criou um impresso simplificado para o IRS de 2009,apenas com dois pontos

1º Quanto ganhou o ano passado?
2º Mande-nos tudo.

Anónimo disse...

mais uma excelente fotografia que encontrei no site memorias de um povo. um lavrador da fazenda de santa cruz com o arádo de paue a sua junta de bois. tempos de muito trabalho de muita luta mas uma grande alegria de viver.