domingo, 12 de julho de 2009

"Viking" poderá já nem vir aos Açores...

Foi confirmado pela AtlânticoLine. O navio "Viking" está a ser reparado [em Inglaterra], [e assim] não vai [conseguir] iniciar a operação nos Açores na segunda-feira [amanhã, dia 13].

Está uma vez mais adiada a chegada aos Açores do "Viking", o segundo navio de transporte marítimo de passageiros. O [navio] "Viking" devia chegar aos Açores este sábado, 11 de Julho, para começar a operar na próxima segunda-feira, 13 de Julho [amanhã]. Isso afinal não vai acontecer.

A AtlânticoLine acaba de confirmar que o navio "Viking" está com um problema no tanque de combustível, uma fissura de 30 centímetros. Como essa fissura surgiu no tanque de abastecimento de combustível de longo curso, habitualmente sem utilização, as duas inspecções ao navio "Viking" não a detectaram. Surgiu agora nos preparativos do navio para a sua viagem até aos Açores.

Segunda-feira [amanhã, dia 13] não há [navio] "Viking" [nos Açores], isso é certo, só depois de receber o relatório da avaria e saber quanto tempo demora a reparação [do navio], é que a empresa AtlânticoLine estará em condições de decidir os passos seguintes. Já [na passada sexta-feira, dia 10] nos estaleiros de Liverpool começou a ser reparado o tanque de combustível de longo curso. Fica dependente da nova inspecção que vai ser feita pelas mesmas duas entidades que [anteriormente] não detectaram o problema: a certificadora inglesa - a MCA e pela RINA - Registo Italiano Naval.

Para já, a AtlânticoLine não quer adiantar qualquer alternativa. E enquanto a AtlânticoLine não decide se o [navio] "Viking" vem para os Açores, quando é que vem, ou se a empresa vai recorrer a alternativas. A única certeza é que o [navio] "Express Santorini" vai continuar a garantir o transporte marítimo inter-ilhas, assegurou o presidente da empresa até porque o contrato com a Hellenic Seaways contemplava já essa disponibilidade.

António Raposo confirmou os contactos com a TransMAçor, mas adianta que até segunda-feira [amanhã, dia 13] o [navio] "Ilha Azul" não é alternativa porque não estaria pronto para navegar em 24 horas. Para já a empresa AtlânticoLine está a encaminhar os passageiros que têm marcações até 5 de Agosto, para os novos horários e percursos que estão a ser definidos.

Notícia: RDP/Antena 1 Açores.
Ainda sobre esta mesma temática, leia-se também uma outra notícia do «Jornal Diário»: "Oposição quer inquérito [parlamentar] ao processo de aquisição do[s navios] Atlântida e Anticiclone".

Saudações florentinas!!

6 comentários:

Anónimo disse...

Havia há anos nos Açores um barco de nome Ponta Delgada, que ligava de Verão e de Inverno todas as ilhas dos Açores.
Porque dava prejuízo, foi retirado de circulação pelos governos do PPD/PSD.

Havia um grupo de yates, de nome Terra Alta, Espirito Santo e Santo Amaro, que ligavam as ilhas do grupo central todo o ano.
Por falta de apoio, foram abatidos no tempo dos governos PPD/PSD.

É esta mesma gente, que rebentou com o transporte maritimo no arquipélago, que anda agora por aí armada em virgem ofendida, fazendo berreiro por causa de um barco.

DR.PARDAL disse...

Com o dinheiro já gasto nesta última década em "transportes marítimos de passageiros" o Governo Regional já poderia ter adquirido a frota russa no Mar Negro ou a frota americana no Mar Adriático...

Bota pr'a baixo que é fiado!

Fórum ilha das Flores disse...

Adenda informativa: a decisão [da AtlânticoLine] sobre o navio "Viking" devia ter sido conhecida ontem [segunda-feira, dia 13], mas nada foi publicamente comunicado pela empresa encarregue do transporte marítimo de passageiros e viaturas entre as ilhas açorianas...

Por outro lado, através duma informação do jornal «Diário de Notícias» ficou a saber-se que o ferry "Atlântida" pode mesmo largar rumo aos Açores, pois um empresário luso-canadiano apresentou uma proposta para a compra do navio.

Fórum ilha das Flores disse...

A notícia do «DN»:

'Ferry' "Atlântida" pode mesmo largar rumo aos Açores: um empresário luso-canadiano apresentou uma proposta para a compra do navio. Objectivo é criar linha marítima entre os Açores e a Madeira.

O luxuoso ferryboat "Atlântida", encomendado aos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) pelo Governo Regional dos Açores, entidade que acabou por o recusar devido a uma diferença mínima na velocidade máxima, poderá afinal acabar por fazer transporte turístico... nos Açores. Tudo porque um emigrante açoriano no Canadá, proprietário de uma empresa de transportes marítimos, acaba de apresentar uma proposta para a integração do navio ["Atlântida"] no modelo de transportes que apresentou para aquela região autónoma e que prevê, inclusive, uma linha marítima entre Açores e Madeira.

"Quero dar aos meus conterrâneos aquilo que eles precisam, com toda a qualidade. O Governo Regional dos Açores já tem esta proposta em mãos", explicou ao «DN» John Amaral, o empresário, gerente da "Cascata do Mar", empresa de capitais canadianos interessada no negócio. A proposta de John Amaral prevê uma rede de três navios num investimento de 100 milhões de euros.

O "Atlântida", ferry encomendado pelo Governo [Regional] mas entretanto rejeitado, seria utilizado em cruzeiros de 9 dias por todo o arquipélago. Sobre este ferry, conforme explicou o empresário, o Governo Regional já pagou 32 milhões aos ENVC e a proposta da empresa ao Executivo [Regional] dos Açores passa por liquidar esse valor, faseado por um período de 10 anos, com pagamentos de 3,2 milhões de euros anuais. "Prestações essas que serão pagas com o serviço de aluguer do navio "Atlântida", para cruzeiro de turistas em todas as ilhas dos Açores, durante todo o ano", acrescentou.

"Não é por causa de menos de duas milhas de velocidade que se abandona um navio novo. Para o turismo isso não faz nenhuma diferença", disse ainda o empresário.

Fórum ilha das Flores disse...

Uma outra notícia da RDP/Antena 1 Açores: «Emigrante açoriano no Canadá quer comprar navio "Atlântida"»...

Há um interessado na compra do navio "Atlântida" que o Governo [Regional] dos Açores rejeitou em Abril. Trata-se de um empresário açoriano, emigrado no Canadá, que pretende usar o navio como cruzeiro para turistas.

O empresário João Amaral já veio a público manifestar a vontade de organizar um circuito de transportes [marítimos] inter-ilhas nos Açores. O emigrante açoriano no Canadá tinha apresentado a proposta há alguns anos, tendo como rosto a [empresa] CanadaMar e, agora, volta a manifestar-se interessado em fazê-lo, mas com a empresa CascataMar, ligada ao transporte marítimo. Desta vez, João Amaral pretende usar o navio "Atlântida", que o Governo [Regional] dos Açores rejeitou em Abril passado, por não cumprir os parâmetros de velocidade máxima, estipulados no contrato com os Estaleiros [Navais] de Viana do Castelo.

Em decalarações ao matutino lisboeta "Diário de Notícias", João Amaral diz-se disposto a pagar à Região os 32 milhões de euros, já dispendidos pelo Governo [Regional], mas propõe fazê-lo de forma faseada, numa prestação anual de 3,2 milhões, durante 10 anos, dinheiro que resultará da exploração de cruzeiros turísticos entre as ilhas do arquipélago dos Açores, rotas que garante manter todo o ano, proposta que prevê o uso de 3 navios, num investimento próximo dos 100 milhões de euros.

João Amaral diz ainda querer usar o "Atlântida" em viagens entre a Madeira e os Açores, pretensão que pode não vir a concretizar-se porque, segundo fontes oficiais, o navio não pode navegar para além das 200 milhas [da costa].

Anónimo disse...

espero que isso se realize, a sata vai ter uma quebra grande, vão passar a tratar melhor os açorianos.os transportes estão encalhados, mas o passeio dos politicos ao canadá, não encalhou.só mesmo no nosso país se passam coisas destas. é sempre o zé povinho que sofre as consequencias.as preocupações com as eleições são muitissimas, mas cada dia menos povo vai votar, pois cada dia acreditam menos nestes politicos corruptos. eu já estive no canadá e na america, mas foi com o meu dinheiro, e voltarei de novo, mas nunca seria a custa dos nossos impostos.hája vergonha e bom senso. ainda admiram-se da abstensão.!!!!!