quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Lotação esgotada com ‘birdwatchers’

Os Açores são cada vez mais procurados por turistas para observação de aves, que por esta altura do ano chegam a atrair às ilhas ocidentais açorianas quase uma centena de pessoas à procura de espécies raras de aves.

“Em Outubro só deve ser possível reservar alojamento na ilha do Corvo já para 2015, porque este ano está cheio e de certeza para o ano também, porque estamos a falar por vezes em grupos de 30 a 40 ‘birdwatchers’ e mais uns 30 a 40 na ilha das Flores”, disse Joaquim Teodósio, da Sociedade Portuguesa para o estudo das Aves (SPeA).

Os Açores atraem muitos observadores de aves “com registos bastante interessantes”, afirmou Joaquim Teodósio, acrescentando que Setembro e Outubro são também meses em que muitas das ilhas “são percorridas por estes observadores de aves” mais aficionados. Espécies como o paínho-de-Monteiro ou o priolo só existem nos Açores, mas o arquipélago é também referência por ter grandes colónias de aves marinhas, como os cagarros ou garajaus.

De acordo com Joaquim Teodósio, o Centro Ambiental do Priolo recebe cerca de 3 mil visitantes por ano, metade dos quais turistas que se deslocam aos Açores para turismo de natureza, com uma compoente também de observação de aves, entusiasmados com as raridades que aqui podem ser encontradas: “O Corvo e as Flores são ilhas que são muito famosas, cada vez mais na Europa, por causa destas espécies acidentais americanas que ocorrem no Inverno”, explicou.

Gerby Michielsen, proprietário da “primeira empresa especializada em observação de aves nos Açores”, salientou que as ilhas são conhecidas como destino de excelência para a observação de aves, revelando que o número de espécies observadas no arquipélago está perto das 400: “Todos os anos encontramos aves que inclusive nunca foram vistas nos Açores ou até na Europa”, disse Gerby Michielsen, que se assume também um apaixonado por esta actividade.

Gerby Michielsen frisou que os Açores estão no topo da Europa de espécies raras, indicando, por exemplo, que as ilhas das Flores e Corvo são para observação de passeriformes (uma ordem da classe aves, conhecidos como pássaros ou passarinhos), enquanto que São Miguel, Terceira e Flores “são ilhas boas para observar patos” e Santa Maria “é também uma ilha excelente devido a raridades vindas da África e Europa”.

“Existem ainda as aves limícolas cujo melhor sítio da Europa para observar é a Terceira, e ainda Pico e São Miguel”, disse Gerby, explicando que o Outono é a época das rotas migratórias, que “interessam muito mais às pessoas que estão à procura das raridades”. O Corvo, por exemplo, “é uma ilha muito fácil para encontrar aves” e “está cheia de observadores no Outono”, diz Gerby Michielsen, garantindo que todos os anos são descobertos factores que aumentam o interesse pelos Açores.

O arquipélago “tem 30 espécies nidificadoras, mas devido à sua posição central no oceano Atlântico destaca-se pela observação de aves migradoras provenientes dos continentes americano e euroasiático”, acrescentou Gerby Michielsen.


Notícia: jornal «Açores 9» e «Correio dos Açores».
Saudações florentinas!!

2 comentários:

Anónimo disse...

Que bom, felicidades, os Açores tem tanto para partilhar.

Célia Simões disse...

Eu, Célia Simões e o meu mais que tudo, Filipe Gonçalves, adoramos conhecer novos lugares, pessoas, partilhar experiências e desde do momento em que fomos ao Pico, não parámos de ir aos Açores. Estamos determinados a conhecer as 9 Ilhas. Adorámos tanto S.Miguel, que para a próxima semana voltamos lá pela 3ª vez, apesar desta vez termos optado por passar mais tempo nas Flores :) Quando dizemos aos nossos amigos que vamos de férias, eles riem-se e perguntam com alguma certeza da resposta "Vão outra vez para os Açores?" É um lugar mágico. Nós moramos em Lisboa e também temos lugares muito bonitos onde passear, tais como Monsanto, Sintra (magnifico), mas para mim não existe lugar como os Açores. Tudo, mas mesmo tudo é bom; desde os locais, a fauna e flora, as pessoas, a gastronomia... Desejo o melhor para os Açores e para os açorianos, povo muito afável e modesto.