quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Plano de combate às plantas invasoras

O incenso, a conteira, o pica-rato, o gigante, a cana e a leycesteria formosa são algumas das espécies que o Governo [Regional] dos Açores pretende eliminar de várias zonas ambientalmente sensíveis, com as acções a desenvolver este ano, em todas as ilhas, no quadro do Plano Regional de Erradicação e Controlo de Espécies de Flora Invasora em Áreas Sensíveis, o PRECEFIAS.

As intervenções a executar até Dezembro representam o maior investimento jamais realizado em remoção de organismos invasores no ambiente dos Açores, assegurou a Direcção Regional do Ambiente (DRA).
“A erradicação de organismos invasores - trazidos pelo homem para os Açores e tendo efeitos negativos nos ecossistemas naturais - é fulcral para garantir que a flora natural resiste e o seu valor se mantém”, considerou a DRA, ao sublinhar que o património natural da Região “tem um interesse unanimemente reconhecido e a sua manutenção traz benefícios a diversos níveis, designadamente para a contenção de taludes e falésias, a qualidade e quantidade de água e na medicina tradicional”.

A Direcção Regional do Ambiente destacou, igualmente, o facto do turismo ecológico, em expansão nos Açores, procurar este tipo de organismos e repudiar a presença de invasoras em paisagens classificadas por razões ambientais. Ao justificar a importância das acções a desenvolver no âmbito do PRECEFIAS, alega que, a par dos aspectos económicos e ecológicos, se tornou “um dever moral a preservação do património genético endémico e a sua salvaguarda para as gerações futuras”.

Notícia: «Correio dos Açores», «Açoriano Oriental», «Jornal Diário» e o sempre inestimável "serviço informativo" do GACS [Gabinete de Apoio à Comunicação Social, da Presidência do Governo Regional dos Açores].
Saudações florentinas!!

12 comentários:

farto de mamões... disse...

Mais infestante é uma determinada espécie de "rosas"...

O seu perfume está inebriando muito boa gente...

Anónimo disse...

Podiam juntar a estas especies a queiró. Aqui há tempos atrás para cortar uns incensos era preciso mil e um requerimento ,só para quem tinha pachorra de andar atrás dessa papelada porque eu sempre cortei vou continuar a cortar e nos meus terrenos quem manda sou eu , ma nada.
A queiró leva na cabeça igual e se aparecer o pessoal do ambiente , eu mando-os dar uma volta ao bilhaar grande.

Teresa disse...

Será que estou mal informada ou as hortênsias também não fazem parte da flora original dos Açores e logo podem ser consideradas infestantes?
Não seria útil publicar uma lista das plantas endémicas dos Açores?

Nelson Fraga disse...

olá amiga Teresa!!!

já há uma "lista das plantas endémicas dos Açores" e divulgamo-la no «Fórum ilha das Flores» em Junho passado: «A mais completa base de dados sobre a biodiversidade das ilhas açorianas».

sim, as hortênsias não são flora original dos Açores... mas quanto a essas, eu tenho um sentimento algo dúplice: consigo compreender que sejam uma planta invasora e algo perigosa para a fauna nativa mas ao mesmo tempo gosto bastante de as ver floridas em pleno Verão...

Anónimo disse...

pois...pois...eu ouvi que este verão estes moços do otl vão todos arrancar sepas de cana roca e acho muito bem para não estarem a gastar o dinheiro dos contribuintes sem fazerem nada.

cam disse...

Então os incensos para as vacas ( fajã grande, Fajanzinha etc.etc.)e para lenha, a cana roca pequena para os animais nos baldios e para estender as carnes nas matanças e festas do divino espirito Santo,é tudo para acabar?Cortar um pau branco para um maço dá multa,bem como Sanguinho,para um cabo etc. etc. E os pardais que chegaram via maritima nos contentores que são um praga isso não se fala,etc.etc. saudações Florentinas,e haja bom senso

Anónimo disse...

Sabem que três incensos na ribeira do ferreiro aquando da construção da ponte custaram ao governo 300contos na altura, o dono das plantas alegou que eram plantas centenárias das primeiras a vir para a ilha e assim embolsou 1500.00€ no dinheiro actual por três incensos

Anónimo disse...

pois é. os pardais é uma grande praga e o governo ainda não resolveu este problema gravissimo para os agricultores.

Anónimo disse...

repenicam umas alfaces e umas couves que agricultura há mais que eu saiba os pardais ainda não comem carne de vaca

Nelson Furtado disse...

Quer-me parecer que o dono dos ditos incensos vai embolsar mais uns milhares á custa de KW de energia...

Anónimo disse...

tantas plantas edemicas agora vamos produzir canabis ke ela dasse bem nesta ilha.

Anónimo disse...

certo e o resto corta-se tudo pela sepa