terça-feira, 24 de novembro de 2009

Chuva de críticas à política de turismo

A V Bienal de Turismo Rural Atlântico começou [no passado dia 15 de Outubro] com críticas severas ao Governo Regional por parte de um dos oradores. Pierluigi Bragaglia diz que os investimentos são mal aplicados na Região.

Pierluigi Bragaglia foi o primeiro a intervir no debate de abertura da V Bienal de Turismo Rural Atlântico, que decorreu [de 15 a 17 de Outubro passado] nas Velas, em São Jorge. Empresário ligado a este sector do turismo, o historiador italiano, que reside na ilha das Flores há cerca de duas décadas, não poupou críticas ao Executivo [regional] açoriano na sua intervenção.

Foi com o mote “Um olhar para dentro” que o primeiro debate do evento focou temas como os trilhos pedestres, o mar, a genealogia ou a fortificação da Idade moderna nos Açores. Pela primeira vez em cinco edições da Bienal, a discussão contou com as intervenções de três historiadores, Pierluigi Bragaglia, Pedro Medeiros, da Biblioteca Pública e Arquivo de Ponta Delgada, e Sérgio Rezendes, do Museu Militar dos Açores.

Sem papas na língua, Pierluigi Bragaglia não se intimidou com a presença de representantes governamentais e criticou a forma como o Executivo [Regional] tem investido no turismo. Para o historiador, “os dois pilares do turismo açoriano são o mar e os trilhos pedestres”. Factores que Bragaglia considera mais do que suficientes para atrair turistas. “Não é preciso inventar especializações no turismo açoriano”, criticou.


Mar

Para o empresário, a solução passa por um maior investimento do Executivo [Regional] nestas áreas, mas adequado ao turismo rural. Pierluigi Bragaglia lamenta que não existam transportes marítimos eficientes na Região. “Hoje em dia só se chega às ilhas de avião ou através do incipiente turismo de cruzeiros. E oxalá permaneça assim, incipiente”, frisou.

O historiador italiano foi muito crítico em relação ao turismo de cruzeiros. “Para que é que serve ter alojamento rural se os turistas ficam nos cruzeiros? Para que é que serve ter trilhos pedestres se eles não têm tempo para os fazer?”, questiona. “O turismo rural nada tem de compatível com os cruzeiros”, sublinhou.

Quanto ao transporte marítimo entre ilhas, Bragaglia ironizou os percalços decorridos neste Verão e salientou que ainda não existem horários para 2010. O empresário fala em falta de organização.


Terra

Segundo Bragaglia, a maioria dos turistas procura os Açores pelos seus trilhos pedestres. O empresário salienta ainda que, de acordo com um inquérito realizado aos passageiros da SATA, 85% dos passageiros procura a actividade. “Temos de ter em atenção as preferências dos turistas”, foca.

Também nesta área, o historiador nota falta de intervenção do Governo Regional. Pierluigi Bragaglia considera que o investimento na manutenção de trilhos e na criação de novos percursos “ficou aquém do esperado”. “Existem apenas quatro trilhos sinalizados nas Flores, quando podiam existir 20 ou 30”, aponta.

Bragaglia salienta mesmo que não seriam necessárias grandes verbas para dinamizar os trilhos da Região. O empresário lançou uma sugestão para o fazer: criar programas de voluntariado para jovens estudantes, que prestariam serviços em troca de alojamento e alimentação. O historiador pediu ainda legislação que proíba a utilização de motos de quatro rodas nos percursos pedestres.

Para Pierluigi Bragaglia, o dinheiro do Executivo [regional] açoriano está a ser mal gasto. “Cuidado com os investimentos”, alerta. O problema do turismo açoriano, segundo o historiador, não está na falta de verbas mas na má escolha de investimentos. “Falta mais vontade da parte dos governantes [regionais]. Estas verbas gastam-se. Algumas em obras emblemáticas que não trazem benefícios”, acusa.

O empresário acredita que se os Açores explorassem estas actividades poderiam estar no topo das escolhas dos turistas da Europa. “Nós tínhamos oportunidade de ser um destino [turístico] de referência a nível europeu”, defende.

No meio de tantas críticas, Bragaglia congratulou a última campanha promocional interna do Executivo [regional], que foi dirigida aos açorianos, pela primeira vez, como incentivo à hospitalidade e bom relacionamento com os turistas.


Notícia: «Diário Insular» [com leitura restrita a assinantes] e "sítio" da Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo.
Saudações florentinas!!

24 comentários:

Anónimo disse...

Não passa de uma respeitável opinião.
Apenas isso.
Da qual pessoalmente discordo.

Os trilhos pedestres e o mar, apenas por si, não nos trazem as mais que necessitamos.

O turismo de trilhos é um turismo de sandwish, de barraca de campismo, sleeping bag e mochila às costas.

O mar apenas por si, traz-nos sazonalmente "condutores" de yates que atravessam anualmente o atlantico a caminho do mediterrâneo (os donos preferem ir de avião até ao yate a Porto Rico ou San Remo e dar depois uns passeios).

O turismo de cruzeiros, com viagens inter ilhas dos Açores ou entre os Açores, Madeira e Canárias, são uma excelente opção. Se os turistas dormem no barco, é o barco que compra comida fresca nos portos onde passa, são as excursões que se organizam, são os souvenir que se vendem, são as refeições que os restaurantes confeccionam.
E quem faz cruzeiros não anda própriamente de mochila às costas.

Como em tudo na vida, há que ter equilibrio. Se o turismo de trilhos e de mar tem o seu mercado, de rendimentos reduzidos, o de cruzeiros também tem o seu lugar, com rendimentos elevados.

Anónimo disse...

Eu concordo com Pierluigi Bragaglia.
A Ilha das Flores tem o encanto na
sua natureza.E há que preserva-la.

Mário Carvalho disse...

Pois

a sustentabilidade decorre exactamente daquilo que tem quer o equilibrio entre a justiça socio/económica para os locais - preservação do meio ambiente e oferta suficientemente atractiva para que exista uma procura continuada e se possível fidelizada ... aqulio que o Sr. Pierluigi Bragaglia defende é legitimo e compreensivel ;)... contudo é um "pseudo-modelo" que em absoluto carece de cientificidade :)

att

MC

Ocidental disse...

Caros administradores, colaboradores,participantes e comentadores do Forum Ilha das Flores.
Há muito que frequento este espaço,que aprecio e considero da maior utilidade para a nossa Ilha,não só como forma privilegiada(porque acessível a todos)de dar voz às nossas expectativas, aspirações, problemas e necessidades,mas ainda como espaço alargado de diálogo e de partilha de ideias e de experiências.
Porém, tenho assistido,mais por regra do que excepção,a autênticos "rosários" de comentários da pior qualidade e utilidade para a Ilha das Flores e prestígio das suas gentes. Fomentar bairrismos doentios,numa Ilha onde um dos grandes problemas é sermos poucos,mesmo todos juntos,desconsiderar pessoas a coberto do anonimato, trocar "piropos" de mau gosto, entre comentadres anónimos que se conhecem,é matéria, que na minha opinião, não devia ter lugar neste espaço.
Excepcionanalmente e ao menos por enquanto,vejo,com agrado,tratada com responsabilidade, correcção e utilidade,a notícia publicada àcerca da V Bienal de Turismo dos Açores e da crítica participação do nosso já conterrâneo Pierluigi,nesse evento.
Parabéns.Antes tarde do que nunca.
Àcerca do turismo na nossa Região, também tenho ideias, que por acaso são mais abrangentes do que as defendidas pelo Pierluigi, mas isso fca para outro momento.

DR.PARDAL disse...

De facto o amigo «Ocidental» tem grandes ideias!

Vou já ali fazer «copy paste»...

Anónimo disse...

historiador LOL
desde quando um contador de histórias é um historiador?

DR.PARDAL disse...

Contrariamente ao que diz um comentador com "dor de corno", Pierluigi Bragaglia é de facto um historiador com uma interessante obra publicada e é reconhecido por várias instituições académicas e culturais.

A verdade é que ele não é nenhum alfarrabista ou coleccionador de artigos de jornal como alguns por essas ilhas fora e que têm o desplante de se apresentarem com a etiqueta de «investigadores históricos».

Anónimo disse...

Diário da República, 2.ª série — N.º 216 — 6 de Novembro de 2009
45265 http://dre.pt/pdf2sdip/2009/11/216000000/4524345268.pdf

Aviso n.º 19997/2009

Em cumprimento no disposto no artigo 100.º do Decreto-Lei n.º 498/72, de 9 de Dezembro (Estatuto da Aposentação), torna-se pública a lista dos aposentados e reformados a seguir identificados que, a partir do próximo mês de Dezembro, ou desde as datas que se indicam, passam a ser abonados da respectiva pensão pela Caixa Geral de Aposentações:

JOSÉ CARLOS PIMENTEL MENDES - VEREADOR - MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ FLORES - €517,81

Anónimo disse...

chegou o primeiro iate 2009/2010 á doca das lajes das flores.

Anónimo disse...

Já que estamos na publicação de documentos,eis as listas de pessoas que por serem "portadores de deficiências" receberam apoios financeiros destinados a compra de material informático:
Em 2009:http://www.azores.gov.pt/ext/sctr-app/formulario.asp?id_form=30&page=-1&dataap=2009
Em 2008: http://www.azores.gov.pt/ext/sctr-app/formulario.asp?id_form=30&page=-1&dataap=2008
(LF) e (SCF).
Sem comentários.

Anónimo disse...

Este blog cada vez tem menos valor. Agora já nem somos livres de expressar a nossa opinião pois ela é totalmente censurada.

Anónimo disse...

Não percebo qual é o espanto. Esse toda a vida mamou e quando já não chegava sozinho à teta ainda cuspia no prato que lhe dava de comer. Do que ele se esquece é que a verdade é como o Azeite e vem sempre ao de cima. Ainda me recordo quando eu era cliente do já desaparecido B.C.A e esse senhor trabalhava na instituição. Ainda me lembro de frequentar o Centro de Saúde quando esse senhor era o administrador do mesmo e as estórias que na altura se contavam. Lembro-me também que esse indivíduo foi candidato pelo P.S.D à Câmara de Santa Cruz e como não ganhou, teve que baixar as calcinhas em troca de algum protagonismo. Enfim, é um vira o disco e toca o mesmo. Viva Portugal!

antonio disse...

concordo plenamente com o que o Ocidental afirma.
Eu tambem tenho ideias para ajudar a desenvolver turisticamente a ilha das Flores,mas gostaria de ter a certeza que temos pessoas para colaborar e não só para destruir.
Tal como o Ocidental em breve falaremos.

Anónimo disse...

Ena pá , a deficiência deles deve ser de ter muito dinheiro !!

Anónimo disse...

se voces são das flores tem o meu apoio força com a nossa terra para a frente e não liguem a bocas de caserna.

Anónimo disse...

quem são os "deficientes"? não consigo abrir a mensagem...

Anónimo disse...

http://www.azores.gov.pt/ext/sctr-app/formulario.asp?id_form=30&page=-1&dataap=2009

http://www.azores.gov.pt/ext/sctr-app/formulario.asp?id_form=30&page=-1&dataap=2008

O farto de mamões vai gostar

Anónimo disse...

eh home qase toda a gente da ilha e denficente!

Anónimo disse...

E sâo todos de santa cruz! lol
deficiêntes...

DR.PARDAL disse...

Tive a curiosidade de consultar a lista desses cidadãos portadores de deficiências e fiquei banzado com a quantidade e qualidade do mamanço que vigora nestas ilhas, e neste caso particular na Ilha das Flores.

É muito capaz algum desses «deficientes» estar a teclar num computador pago pelo Governo (pago pelos contribuintes, melhor dizendo) e estar a maltratar o Dr.Pardal.

Eu tive que pagar todo equipamento, periféricos, licenças, software, ligações à internet,etc. e uma considerável legião de sortudos andam navegando na net à borla.

E pensar que quase todos
os projectos foram aprovados antes das eleições de 2008 e 2009.

Muito se mama nessa terra.

SCF deve ser o concelho com maior indíce de «deficiências».

De gente doida da cabeça, eu já sabia que era o maior.

Estou banzado.

E ainda admiram-se como é que o país pode aguentar tanta chulice instituicionalizada!

Anónimo disse...

Essa lista é digna de ser publicada na praça.a maior parte é de santa cruz.
Desde um dono de hotel,passando pela presidente da assembleia municipal,uma alta funcionária do centro de saude...estou de boca aberta.
Agora percebi porque o partido socialista teve tantos votos em santa cruz.
Está explicado,ainda dizem que mamar é na França?
Quem disse?
mosses...todos para santa cruz,lá não existe vergonha.
Viva ao Pereira e seus acólitos.

Anónimo disse...

ja me esquecia,agora percebo como tanta gente anda no hi5.
com computadores oferecidos é tal teclar...

Anónimo disse...

Tenho pena é daqueles que precisam mesmo e que não podem ter o um computador porque os outros (os que menos necessitam) já mamaram tudo.
Nesta lista há muitos deviam ter vergonha.

Anónimo disse...

Historiador??? Conterrâneo??? Ocidental???? defensor do ambiente??? esse tipo não tem espelhos em casa ou quê???
porque não pega ele numa foice e ajuda a mondar as "selvas" a que ele chama "caminhos pedestres" que tanto defende, que até se confunde se serão seus??? será que também vai pedir a seguir legislação para impedir as vaquinhas e os lavradores de passarem nos caminhos? e já agora porque não pediu ao governo para legislar sobre kayak's no porto da fajâ Grande.
faça-nos o favor...