quinta-feira, 19 de agosto de 2010

«Brumas e Escarpas» #6

O “Casamento do Marujo”

No número sete da nova série da «Revista Lusitana», publicado em 1986, pode ler-se um artigo de Pedro da Silveira, intitulado “Catorze Trovas e um Conto recolhidos na ilha das Flores”. Por se tratar de textos orais, no final de cada recolha, aquele poeta e investigador literário fajãgrandense indicava os nomes das pessoas que lhe haviam contado o conto ou declamado cada trova. Neste conjunto de nomes, surgem entre outros e com relevo os nomes de José Inácio da Ponta e Manuel Mariano da Fajãzinha, que durante anos e anos, praticamente sozinho, cantava missa e afins, em canto chão, na Igreja paroquial daquela freguesia.

Ao ler a revista, entre estas quinze preciosidades recolhidas todas elas na Fajã Grande e Fajãzinha entre 1941 e 1951, prendeu-me mais a atenção o “Casamento do Marujo”, não tanto pelo texto em si ou por me recordar de o ouvir mas mais pela pessoa que lho recitara. Nada mais, nada menos do que Angelina Fagundes, ou seja, a minha mãe!

A recolha daquela trova foi feita em Julho de 1942 e, segundo Pedro da Silveira, minha mãe tê-la-ia ouvido a uma sua antiga vizinha chamada Ana Fraga, ou seja, a popular tia Fraga de que não me lembro mas de quem muito ouvia falar quando criança e que teria morado na Fontinha, na velhinha Casa de Lá ou Casa do Tear que meu avô arrematara, dado que após a morte daquela, segundo se dizia, bondosíssima senhora, a casa foi leiloada a favor da Igreja paroquial. Foi lá que os meus avós montaram um dos já poucos teares existentes, na altura, na Fajã, no qual foram tecendo, durante anos e anos, quase toda as minhas tias, sucedendo-se umas às outras, à medida que se iam esquivando para a América ou para o Convento.

Segundo o testemunho da minha progenitora, tia Fraga havia ouvido e decorado o “Casamento do Marujo” quando rapariga a uma mulher que morava na Fajã Grande mas que era natural de São Miguel, por volta de 1860-1865, altura em que se crê que algumas famílias de pedreiros de São Miguel, nomeadamente de Vila Franca do Campo e Ponta Garça, terão emigrado para as Flores, estabelecendo-se muitos deles na Fajã Grande.

Reza assim a dita trova: “O Casamento do Marujo”, a qual me recordo de ouvir recitado pela minha progenitora:

No gozo da minha infância,
Ainda quase uma criança,
Das amadas fui querido.
Logo me ficou no sentido,
A mais bela e engraçada.
Lhe falei p’ra minha amada,
Nem o pai nem a mãe quis.
Ai de mim tão infeliz!
Com quinze anos de idade,
Fui então para a cidade,
E embarquei na “Salvaterra”,
Por ser boa nau de guerra.
Corri todos os Açores
Para ver se achava amores,
A minha satisfação.
Foi uma bela ocasião,
A filha de mestre Amaro,
Que o pai tinha por amparo,
E era uma bela costureira,
Dava pontos à frieira;
Aquilo era um gosto vê-la,
Mais linda do que uma estrela.
Tinha olhos bonitos,
Os meus ficaram aflitos.
Logo ao sair da missa,
Fez-me uma linda malícia;
Meu coração deu um ai,
Fui logo falar ao pai.
O pai ficou muito contente,
Foi dizer à sua gente
Quem casava com a filha.
Até da ponta ilha
Veio gente ao casamento,
Homens de grande talento,
O regedor e o cura,
Mais o filho do Ventura,
Com violas e rebecas,
Vinho em potes e canecas,
O dia do meu noivado
Deixou tudo admirado!

in “Revista Lusitana” (nova série) 1968, nº 7, pag.s 121 e 122.

Carlos Fagundes

Este artigo foi (originalmente) publicado no «Pico da Vigia».

1 comentário:

DR.PARDAL disse...

Mais um quadro etnográfico bem pitoresco que o Sr.Carlos Fagundes nos propicia.

Sugiro ao distinto autor que publique um livro com os textos da série «Brumas e Escarpas» que tão gentilmente publica neste Fórum.

Não tenho dúvidas que seria muito bem recebido quer pelos florentinos
residentes, quer pelos florentinos emigrados e bem assim pela generalidade dos açorianos que se interessam pela preservação das tradições, costumes e vivências dos nossos antepassados.

Deixo aqui este repto à consideração de V.Exª. e bem assim à atenção dalguma autarquia interessada na preservação deste acervo de memórias.