sexta-feira, 26 de março de 2010

Pescadores sem receber do FundoPesca

Os pescadores da ilha das Flores queixam-se de ainda não terem recebido os apoios do FundoPesca.
O Governo Regional diz que os serviços ainda estão a analisar os documentos da Segurança Social e promete pagar. Este fundo foi criado para apoiar os profissionais da pesca em casos de perda de rendimento, motivada pelo mau tempo.


Notícia: «Jornal da Tarde» da RTP/Açores [no passado dia 16].
Saudações florentinas!!

35 comentários:

Anónimo disse...

para quem não saiba há dias em que o mar está bom para a pesca e os pescadores ficam em cima do cais a verem navios

Anónimo disse...

mas antigamente os pescadores não recebiam subsidio nenhum e os invernos eram muito piores do que hoje em dia e naquela altura aqueles que tinham um bocado de terra iam trabalhar para viverem e sustentar os filhos.

Anónimo disse...

Ir ao mar dá muito trabalho.

Para além do preço do peixe custar os olhos da cara, ainda pagamos os pescadores como funcionários públicos.

Anónimo disse...

Exmo. anónimo de 26 de Março 2010 01:04. Se é profissional maritimo, ou está devidamente habilitado para avaliar o estado do mar para a prática da pesca, (embarque, viagem até local de faina, viagem de regresso, varagem, etc.), admito a veracidade do seu comentário, embora com alguma reserva. Se não tem as referidas habilitações, o melhor é estar calado (tolo calado, passa por discreto). Para quem estiver realmente interessado no problema que afecta alguns pescadores, recomendo a leitura atenta do Decreto Legislativo Regional 16/2002/A.

Anónimo disse...

e até os pescadores já falam em decreto lei o que isto havia de chegar e é por essas que portugal está de pernas para o ar e pague o contribuinte. deichame ir apanhar umas batatas que está no tempo antes que venha mais vento para as quiemar. mas eu não fui pedir subsidio para aquelas que eu perdi.

DR.PARDAL disse...

Pouco tenho a dizer sobre isto, pois ainda alguém é capaz de afirmar que o Dr.Pardal limpa os mares das Flores com as suas «traineiras» como já foi aqui insinuado.

A verdade é que eu também tenho muito do meu a «arder» e o Governo Regional não me acode....

Denis Correia Almeida disse...

ENÍGMA

Caros queixosos e mal acostumados.

Por (enquanto)dêem graças a Portugal estar debaixo da asa da galinha dos ovos d'ouro UE.Olhai
que a maminha poderá esgotar-se.

Portugal só em si, inclusive os Açores, jamais poderia dar para tanta coisa.
Todos esses benefícios,são maminhas
estendidas da vaca da UE d'acordo?

Se cada ilha não dá para si e para os gastos que investe, especialemnte nas obras portuárias
como o caso do presumível porto de cruseiros da baía d'Angra, quem é que está a dar de mamar aos bezerrinhos?A vaca europeia certo?

Ainda por cima, individualmente, cada um a querer uma têta (...)
Olhai!Portugal, Acores e Madeira tudo a chupar na vaca europeia, ela irá secar-se!P'ra lá vamos...

Daily Zumbi disse...

Daily ZUMBI

Este mundo é assim mesmo; todos quem mamar.

Anónimo disse...

Vou tentar explicar aos ilustres comentadores o que é ser pescador/armador:
Para exercer a actividade de pesca por conta própria é necessário comprar um barco que custa cerca de 80.000,00 €, dos quais, nalguns casos, cerca de 50 % são financiados por apoios comunitários e os restantes 50 % por capital próprio ou com recurso a um empréstimo bancário avalizado pela Lotaçor. Este empréstimo apesar de ter algumas particularidades na sua forma de amortização, tem de ser pago pelo comprador do barco.
Comprado o barco, constituída a tripulação e obtidos todos os registos e licenças necessários, pode começar a faina.
Quando as condições atmosféricas permitem lançar o barco ao mar, fazer a viagem até ao lugar onde há peixe, manter o barco no lugar de faina, fazer a viagem de regresso, e varar o barco, o barco pode sair e ir para a pesca.
Depois de regressar da faina e no caso de ter-se pescado algum peixe, este é levado para a lota, onde será vendido.
Do total arrecadado pela venda do peixe, imaginemos 100,00 €, é descontado:
1,00 € para a Associação
10,00 € para o empréstimo
10,00 € para a segurança social
0,50 € para o fundo de pesca
6,00 € para o seguro
e 4,00 € para a lotaçor
No total de 31,50 €
Restam 68,50 €, este valor é dividido em quinhões que serão distribuídos pela tripulação nas proporções acordadas. Em regra 3 para o armador e 1 para cada um dos restantes trabalhadores afectos ao barco, ou seja, numa tripulação de, por exemplo, 3 pessoas, o armador arrecada 3/5 (41,10 €) e cada um dos outros dois arrecada 1/5 (13,70 €).
Dos 41,10 € do armador é que são pagos os aparelhos de pesca, isco e gasóleo.
Uma faina destas (100,00 €) pode demorar 18 horas no mar.
O FUNDOPESCA, tal como o nome indica, é um fundo de compensação salarial, para o qual, os potenciais beneficiários contribuem com o desconto de 0,5 % do total do pescado descarregado em lota.
Para receber esta compensação é necessário que a Lotaçor declare que a embarcação ficou impossibilitada de ir à pesca devido a:
a) Catástrofe natural ou imprevisível que origine falta de segurança no porto ou no mar, implicando o condicionamento ou encerramento do porto, para todas as embarcações ou para um determinado tipo de embarcação, durante, pelo menos, 8 dias consecutivos ou 15 dias interpolados num período de 30 dias;
b) Interdição de pescar por razões excepcionais de preservação de recursos, motivos de saúde pública ou defesa do ambiente, desde que não repetitivas e com a duração mínima de oito dias consecutivos;
c) Impossibilidade do exercício da faina ditada por condicionantes decorrentes do carácter migratório das espécies e pela especialização da frota exclusivamente nessa actividade, nos termos da fundamentação e limites previstos na regulamentação comunitária.
O montante máximo de que poderá beneficiar cada um dos pescadores abrangidos por este fundo, no ano de 2010, é de 498,75 €.
Posto isto, desafio qualquer um dos ilustres comentadores a trocarem a sua vida profissional pela de pescador/armador.

Pato Bravo disse...

Essa situação em relação aos pescadores,já ultrapassou todas as marcas.

Anónimo disse...

O "pescador" anónimo de 26 de Março de 2010 22:14 já percebeu que ganha mais metendo-se nas leis do que a ir apanhar peixe ao mar. Por isso é muito "entendido".
Ainda insinua que o barco onde trabalha, imaginem, foi muito caro, se calhar entendendo que este devia ser dado.
Para além de lhe pagar-mos o peixe, lhe pagar-mos um ordenado quando entende não ir ao mar, ainda lhe deviamos de pagar 50 % do barco (os alemães que lhe paguem os outros 50%) e a segurança social, para ele ter hospital de graça e uma reforma rechonchuda quando quiser parar.

Há gente muito mal habituada nesta terra.

Anónimo disse...

E o que poderão dizer nós os agricultores que temos um investimento de muitas máquinas,muitas vacas,muitas terras que para serem nossas tivemos que investir muito,ou muitas arrendadas,depois temos os adubos,raçoes para os animais etc,etc.enquanto os pescadores não precisam terras mas cada qual sabe de si.

Anónimo disse...

o anónimo faz um choro que a mim não me convenceu.antigamento a vida de pescador era muito mais dificil e nunca ouvi dizer que tive-se algum a morrer á fome.e eu conheci muitos que compravam os barcos sem subsidio do governo e passavam invernos regurosos a ganhar pouco mas eles lutavam por outros meios em terra para viverem, hoje em dia tem tude e mais alguma coisa e ainda querem mais mas dou um conselho poupem que a vaca da cee vai secar e já falam terminar a cota leiteira para 2015 e aquele que tenha poupado de certeza que vai subreviver agora aquele que só andou á espera dos subsidios este de certeza que vai ter que ir trabalhar por conta de outro.

Anónimo disse...

Ao anónimo de Março 27 00:26h

Não sei que agricultor ou lavrador és, mas deves falar por ti só.

Lembra-te que, nas Flores há muita terra esperdiçada. Eles a maior parte dos abastados, repete-se: ABASTADOS agricultores, com terras que são e foram heranças dos seus, não as compraram, repito:
NÃO AS COMPRARAM foram herdadas.

Hoje, choram, queixam-se que têm um investimento muito grande aqui rente aos outros, por exemplo: os pescadores que vão para o mar e nem sempre há peixe, e se há são muitos dizimados a comerem do mesmo pobre barco, desses pescadores que, no mar alto arriscam suas vidas para se sustentarem, e variarem o menú dos que esão em terra a comerem sempre sopa de feijão e inhames.

Nas Flores, como em todas as ilhas dos Açores, há muitos malandros,
que já pouco cultivam, derivado a maminhas suplementos do Governo.

Antigamente, não havia maminhas.
As terras eram cavadas ou lavradas de parede a parede. Hoje vê-se monda alta por toda a parte.

Actualmente, mesmo com dinheiro investido em tractores e diabos aos quatro, eles nem cavam os cantos dos terrenos. São malandros. Meu pai era pescador, e eu conheço a vida sacrificada do mar. Vaiam trabalhar malandros!
Um anónimo esperto.

Anónimo disse...

se eu quero comprar uma casa, pago os 100% que o governo não me dá nenhum, e o avalizador pago eu e mais ninguém.
se eu quero comprar um carro, pago os 100% que o governo não me dá nenhum.
Quer faça sol vento ou chuva tenho de ir para o meu local de trabalho, para ganhar alguns euros, enquanto um pescador num dia médio de faina arrecada uma boas centenas para não dizer milhares de euros (quem tiver duvidas peça as facturas e veja com os próprios olhos que eu já vi e foram só umas poucos centenas de quilos de goraz!).ahhhh... e poucas horas de pois da lota feita já tem o dinheiro na conta!!!
Eu trabalho um mês inteiro para receber algum, no final do mês o governo tira-me de todo o que ganhei uma percentagem para irs, segurança social etc..
Vou à bomba encher o tanque do meu carro, pago na totalidade...
se não vou trabalhar ninguém me dá subsidio de compensação nenhum... e ainda acham que estão mal? Amanhâ já vou saber onde compro um barco e só pago metade.
E o mais hilariante é quando um certo "barquito da desportiva" anda por aí a pescar, e é ver as ostentosas embarcações de fibra e aluminio varadas.

Pato Marreco disse...

Se nao fosse bom eles nao deixavam outras actividade para serem pescadores!!

Anónimo disse...

O que esta a dizer o "pescador" anónimo é que paga 30% de impostos como qualquer um, só que no fim fica com um barco de 80000€ e tem todo o tipo de apoios sociais.

Anónimo disse...

E sem falar das regalias como o gasóleo ao preço da chuva...

Anónimo disse...

Os pescadores também pagam 100 % da casa, 100 % do carro, 100% da gasolina para o carro, e tal como o comentador de 26 de Março de 2010 22:14 disse, também descontam para a segurança social, seguros, etc.
Quanto à compensação salarial por estarem impedidos de trabalhar (498.75 € por ano), tenho sérias dúvidas sobre se algum profissional não a tenha, e desconfio que, salvo raras excepções, a grande maioria tem-na em montante muito superior.

Anónimo disse...

E ao que parece, esse "barquinho da desportiva" vai mais vezes ao mar que os profissionais todos juntos. É a vida nesta ilha.

Anónimo disse...

Tenho algum conhecimento da vida arriscada do mar.
Seja ela: pescadores, armadores ou até pessoal que trabalha em carga e descarga de embarcações.

Cada um faz aquilo que gosta e é inclinado para tal. O pescador vai para o mar porque gosta. Ele não vai para matar o desejo de peixe a ninguém! Nem sequer vai para fugir a outros trabalhos.

Quanto bom é um homem/mulher fazer aquilo que gosta e sabe, tendo vocação para o fazer!?..

O mar é preciso.O pescador também é
e, aquele que critica o pescador, por ser preguicoso, porque razão não compra um caniço e vai pescar?

Neste caso, aconselha-se os mais
indolentes,ociosos e, quanto menos inteligentes forem melhor.
Lembrem-se do provérbio:

"quanto mais tolo mais peixe"???

Denis Correia Almeida
Hardlink@aol.com

Anónimo disse...

chegou o primeiro iate ao porto da capital das flores e quando a marina estiver pronta muitos mais vão chegar.

Anónimo disse...

pescadores das flores sao merda andam sempre nos cafes quando mar ta bom e quando mar ta mau começao a chorar dizer nao podem ir pesca veio um barco novo pra fazenda santa cruz o dono é um grande malandro a espera do ordenado da mulher e sempre nos cafés e os restantes a espera do subcido do governo

Anónimo disse...

como é que sabes que anda sempre nos cafés ?

Anónimo disse...

os pescadores que aparecem na reportagem sao sempre os que nunca vao pro mar e andam sempre a chorar-se sao dos maaiores malandros que as flores ja conheceu e olha que sao ainda uns poucos para os habitantes que existem e por isso vos digo vao mas e trabalhar

Anónimo disse...

Malandro e trafulha é o secretario das pescas que anda a passar licenças de pescas a barcos da terceira e de são Miguel que andam delapidando os nossos mares,pondo em causa o futuro dos pescadores das Flores face ao investimento que fizeram na compra de novas embarcações.
Ainda vou ver alguns destes barcos abandonados no porto porque os donos não podem pagar as suas despesas.

LICÍNIO MEDINA disse...

Vai chamar malandro a outro,nunca fui pedir-te nada,nem fasso conta de ir ,eu respondo por mim e fasso a minha vida....
Quanto ao subsidio, o pescador em cada lota desconta 0,5 cento para esse fundopesca ...por isso o pescador desconta em cada lota que faz para receber depois 472.50$ não e favor ke o governo faz...falam mt mas sem saber!!!cada um ke fassa a sua vida e deixe os outros em paz..LICÍNIO MEDINA

companheiro da alegria disse...

ó licinio..vê se escreves faça... e não fassa.quem foi a tua professora?

Anónimo disse...

Se axam qwe a vida do mar é assim tão facil e dá tanto rendimento,convido-vos meus amigos a vir trabalhar pó meu barqwinho,é tão dificil arranjar um homem para se ir pó mar,nunca ninguem se ofereceu a mim,mas deixo o meu email para contacto pós interessados,já vi qwe os hão aos montes.
email para contacto pós interessados:
botelhoartur1969@hotmail.com

abraços

Anónimo disse...

eu sempre vou escrever um pouco hoje depois de uma semana conçativa em que tive para aproveitar o pouco bom tempo. de segunda a sexta fui para o meu trabalho e no sabado estive todo o dia a preparar terreno para semear no domingo tres quilos de favas quatro quilos de ervilhas e quatro quilos de feijão manteiga se der como nos outros anos vou ficar com a arca cheia e com dois porcos que tenho para matar um que ha-de ser para domingo que vem e o outro mais para a frente é muito trabalhar mas é fartura que não é preciso comprar e com esta crise o dinheiro não dá nada.

Anónimo disse...

o barquinho do4 de abril as 23.05 se nao arranjas ninguem pro teu barquinho ja da pra ver pois ninguem quer ir pro mar preferem ficar casa e arranjar um trabalho decente pois os pescadores das flores querem ir pro mar so pra nao trab mas para terem um pouco de dinheiro pra cerveja tivemos 4 meses mau tempo so se via pescadores nos cafes e as mulheres a trab pra sustentalos vaim tra malandros

Anónimo disse...

eu não tenho nada contra ninguem mas tu para saberes que eles andam nos cafés. de duas uma ou tu também não queres trabalhar ou então estás reformado.

Anónimo disse...

meus amigos,ninguém sabe dar o valor á vida de um pescador so quem passa por isso,arriscam a vida quando vão ao mar nem sabem se chegam a apanhar peixe ou se vem com as mãos a abanar,por isso digo e com razão,a vida do pescador é uma vida difícil devia-mos respeitar cada profissão,num livro antigamente lia-se assim:todas as profissões são honrosas quando exercidas conscientemente.

Anónimo disse...

mas porque será que quando se fala em trabalho não há mais comentarios.

Tubias Belota disse...

Realmente ainda continua essa pouca vergonha voces no lugar de falar mal uns dos outro façam alguma coisa pela voça terra porque mais dia menos dia os talibens de Sao Miguel estam pretes a envadirem o territorio Florentino.Depois vou estar por aqui pra me rir á fartazana.